Teste do Pezinho é direito de todo bebê
Assim que nascem, os bebês são submetidos a uma série de exames para identificar anormalidades. E o Teste do Pezinho, ou Teste de Triagem Neonatal (TTN), é um deles. No Brasil, em 1990, o Estatuto da Criança e do Adolescente definiu a Triagem Neonatal (TN) como obrigatória, e, em 1992, o Ministério da Saúde reafirmou a obrigatoriedade da TN em território nacional. “É um exame simples, que garante diagnóstico e cuidado precoce para muitas doenças, antes que elas sejam sintomáticas e possam trazer danos irreversíveis ao desenvolvimento da criança”, explica o Diretor Técnico do Laboratório Sabin, Dr. Rafael Jácomo. A TN representa um dos principais avanços para a prevenção de doenças na pediatria, portanto, é importante que se conheça um pouco sobre ela:

Publicidade

Coleta: atualmente o TTN é realizado em papel filtro, utilizando-se algumas gotinhas de sangue retiradas do calcanhar do bebê. O exame também pode ser feito por meio de punção venosa, quando a criança vai realizar outros exames que precisam da coleta na veia, para evitar puncionar a criança em dois locais.

Quando fazer: o teste do pezinho deve ser realizado o mais breve possível, a partir de 48 horas de vida, idealmente antes do 5º dia, mesmo em crianças hospitalizadas, prematuras ou que tenham recebido transfusões sanguíneas.

Sobre os testes: é importante lembrar que os exames de triagem têm alta sensibilidade e que um resultado alterado não significa um diagnóstico de doença e que, algumas vezes, é preciso repetir o teste e/ou complementá-lo com outros exames.

No Laboratório Sabin: além da triagem para fenilcetonúria, hipotireoidismo, doença falciforme e fibrose cística, muitas outras enfermidades podem ser detectadas na TN, sendo os TTN classificados em Básico, Ampliado, Expandido e Master, de acordo com o número e tipos de doenças triadas. A critério médico, outras doenças, como a pesquisa de surdez congênita e a pesquisa de anticorpo anti-HIV, podem ser incluídas na TN. Atualmente é possível a detecção de mais de 50 enfermidades, e a orientação de qual tipo de teste realizar costuma ser feita pelo pediatra.

A triagem neonatal exige que o laboratório e o pediatra trabalhem em conjunto, conheçam os testes realizados, as suas sensibilidades e especificidades, para que possam obter o melhor resultado dessa ferramenta preciosa.