Saúde Bucal da criança
Não saber quando levar o filho ao ortodontista é uma dúvida comum entre os pais. Mas a resposta é simples: diante de qualquer anormalidade deve-se procurar ajuda profissional. Por isso, é importante que os pais acompanhem o crescimento dos dentes dos filhos. No caso de algo diferente na face da criança, é necessária a avaliação de um especialista em ortodontia e ortopedia facial. “Esta primeira consulta ocorre entre os 5 e 10 anos. É neste período que acontece a erupção dos primeiros molares permanentes e a troca dos incisivos centrais superiores e inferiores. Mas não é raro crianças entre dois e três anos necessitarem de tratamento ortopédico facial. Tudo isso é detectável a partir de visitas regulares ao dentista”, explica o ortodontista Dr. Fábio Santana.

Publicidade

Os problemas mais comuns que requerem que os pais procurem orientação médica especializada são: cruzamento dentário posterior e/ou anterior, apinhamento dentário severo, assimetrias faciais por inclinação lateral da mandíbula, mordida aberta anterior, falta de harmonia na relação da maxila com a mandíbula, incisivos superiores excessivamente inclinados para fora, céu da boca muito profundo e a falta de espaço para a erupção dos dentes permanentes. “A avaliação do ortodontista deve ser ampla, buscando a causa da má-oclusão, e não só tratar a consequência ou os sintomas”, orienta.

Na maioria das vezes, o tratamento deve ser multidisciplinar com apoio do otorrinolaringologista, fonoaudiólogo, pediatra, alergista, entre outros. “Em muitos casos, o tratamento ortodôntico deve ser protelado para a realização de tratamento respiratório, correção da postura de língua, remoção de maus hábitos, aguardar a troca de dentes etc”, afirma. Segundo o Dr. Fábio, os tratamentos ortopédico facial, ortodôntico preventivo e interceptativo buscam a harmonia entre dentes de leite, permanentes, bases ósseas e músculos faciais e terão bons resultados somente durante os picos de crescimento da criança, diferente da ortodontia corretiva, que baseia-se na mudança de posição dos dentes e pode ser realizada durante toda a vida do paciente.

“O mais importante é ter um profissional de confiança que tenha uma grande bagagem para trabalhar com o crescimento da criança de forma eficiente, honesta e cautelosa. O ortodontista deve realizar as intervenções no momento exato, ou seja, deve ter o cuidado de não iniciar muito cedo e não perder o pico de crescimento. Cada paciente tem o seu tempo e, por isso, o tratamento deve ser personalizado, e somente o cirurgião dentista qualificado deve realizar o atendimento. O foco principal deve ser sempre o bem-estar da criança!”, conclui.