Sabia que criança pode ter reumatismo? Entenda
A maioria das pessoas pensa que as doenças reumáticas são exclusivas da população adulta. Engana-se quem pensa assim. O reumatismo atinge a todas as idades, inclusive crianças. Existem mais de 100 doenças reumáticas, que podem causar dor, rigidez e inchaço em articulações, bem como nos músculos, tendões, ligamentos, ossos e pele. “As doenças reumáticas atingem crianças de todas as idades e são caracterizadas por serem crônicas, ou seja, duram meses, anos e até mesmo décadas. As principais na infância e na adolescência são: Febre Reumática; Artrite Idiopática Juvenil; Lúpus Eritematoso Sistêmico Juvenil; Dermatomiosite; Esclerodermia; e Vasculites”, informa a reumatologista pediátrica Dra. Márcia Bandeira. Muitos pais, por não estarem informados a respeito da doença, deixam de procurar um especialista com rapidez, o que acaba comprometendo a qualidade de vida do filho.

Publicidade

 

Sintomas

Os sintomas das doenças reumáticas em crianças são semelhantes aos dos adultos. “Entre eles estão a dor, rigidez na articulação e algumas delas podem levar a dano e limitação permanente comprometendo o futuro do pequeno paciente”, informa. Além das juntas, as doenças reumáticas juvenis podem afetar outras partes do corpo como coração, rins, olhos, músculos, tendões, fígado e pele.

Segundo a Dra. Márcia, não é raro a criança passar por vários especialistas até que o diagnóstico e o tratamento correto seja iniciado. Essa demora pode provocar deformidades articulares, comprometimento de órgãos e até mesmo invalidez. Os pais precisam ficar atentos aos sintomas e procurar tratamento médico o quanto antes!

 

Sinais de alerta

 

Quedas frequentes, tropeçar ou caminhar com dificuldade deixando de fazer atividades rotineiras, como correr ou jogar bola, são sinais importantes. Dor que pode ser constante e não melhora com analgésicos até mesmo em repouso, incomodando o sono à noite. Além desses fatores, a febre sem sinal de infecção é outro sintoma que pode indicar doença reumática, pode ser contínua ou recorrente. Neste caso, recomenda-se ir ao pediatra para uma avaliação e, havendo necessidade, o pediatra encaminhará a criança para o reumatologista pediátrico.

Tratamento

O diagnóstico precoce e o tratamento específico são fundamentais para uma evolução satisfatória. “O tratamento depende da causa da doença e pode requerer o uso de anti-inflamatórios, antibióticos e drogas para prevenir a progressão da doença, além de fisioterapia e até mesmo psicoterapia. A avaliação do especialista é indispensável e o tratamento adequado é capaz de garantir à criança uma vida praticamente normal”, finaliza a Dra. Márcia.