Os riscos da obesidade na infância
 Ao contrário de anos atrás a nova geração das crianças está mais sedentária. As brincadeiras de rua, andar para ir e voltar da escola, horários certos para refeições, dormir cedo, comida fresca preparada em casa, entre outros fatores, começam a deixar de existir nos lares. Os motivos são variados, como violência, pais que trabalham o dia inteiro fora de casa, crianças que possuem excesso de cursos extracurriculares... Tudo isso são fatores de risco para a obesidade infantil, um problema mundial de saúde pública.

Publicidade

A nutricionista Dra. Roseli Ueno Ninomiya conta que atualmente há milhares de crianças que já sofrem de problemas com o sobrepeso e obesidade, e tem como consequência o aumento de colesterol, triglicerídeos, risco para o diabetes e pressão alta. “Doenças que eram mais comuns nos adultos, aparecem agora nos mais jovens”, reforça. Entenda como combater a obesidade infantil e mantê-la bem longe do seu filho:

 

Como estimular a criança a ter uma alimentação saudável?

O estímulo para uma alimentação saudável começa em casa. É preciso ter regras, organizar os horários das refeições das crianças, preparar um cardápio diário, equilibrado, variado e nutritivo com verduras, legumes, grãos, carne, frango, peixe, ovos, frutas. Não é necessário ter alimentos sofisticados. As preparações básicas poderão fazer a diferença no peso. Um exemplo de prato comum, brasileiro, mas esquecido hoje, é o arroz, feijão, couve, bife grelhado, salada de alface e tomate, e de sobremesa uma laranja. A alimentação da criança deve ser semelhante aos familiares de casa, afinal quando os pais possuem hábitos saudáveis, conseguem ensiná-los a comer bem. O que diferencia não é a variedade, e sim a quantidade, afinal elas irão comer porções menores que os adultos.

 

Qual o papel da hidratação no combate à obesidade infantil?

É fundamental cuidar da hidratação ao longo do dia com água, sucos naturais, água de côco, chá. Evite sempre que possível oferecer bebidas prontas açucaradas, ou adicionar açúcar nos sucos naturais, ou trocar a água pelos refrigerantes.

 

Sal e gordura também são vilões. Como escapar deles?

Não adicione excesso de sal na comida, diversifique nos temperos naturais de ervas como salsinha, cebolinha, manjericão, coentro, tomilho, orégano, alho, cebola, e deixe de usar temperos industrializados prontos. Diminuir o sódio ajuda a prevenir o problema de pressão alta. Evite comprar ou preparar alimentos ricos em gorduras como pastel, coxinhas, batata frita, mandioca frita, brigadeiro, molho quatro queijos, etc.

 

É importante que os pais resgatem a forma como se relacionaram com a alimentação na própria infância e repassem isso aos filhos?

Com certeza. Doces e salgadinhos não tinham o significado de “moeda”.  O pirulito não vinha pela obediência, cumprimento do dever de casa, acordar cedo, respeitar os mais velhos, entre outros. O salgadinho do lanche era preparar a pipoca de panela em casa e comer na hora da TV, não tinha a variedade de hoje, mas não era importante. Diversão era o que importava.

 

Como transmitir isso às crianças hoje?

Meu convite é que pais, familiares e adultos reflitam como está a rotina de vocês em casa. As crianças estão recebendo a atenção devida? Pela saúde deles, troquem os alimentos industrializados e prontos. A praticidade e facilidade atual podem adoecer o corpo da criança ao longo dos anos de sua infância. Preparem um bolo com seu filho, ou apenas cozinhem o milho. Ele tem que comer saudável sim, mas pense que saúde também depende da condição psicológica do seu filho. Ser feliz deixa o corpo nutrido e acertar a refeição de um dia ou da semana fará a diferença quando ele chegar à vida adulta. A alegria do momento em família ou junto dos amigos é sempre único e sem volta! Não deixe para amanhã o que você pode mudar hoje na dieta da criança.

 

Cardápio saudável para a família (um dia)

Café da manhã: meio sanduíche de pão de forma integral com uma fatia de queijo muçarela mais uma fatia de peito peru e um pote de iogurte.

Lanche da manhã: uma banana.

Almoço: três colheres (sopa) de arroz com lentilha, carne cozida com cenoura e abobrinha, e salada de pepino. Sobremesa: seis uvas sem semente.

Lanche da tarde: uma torrada de pão de forma integral com requeijão, um copo de leite batido com morangos.

Jantar: três colheres (sopa) arroz, meia concha de feijão, um filé de frango grelhado, brócolis refogado e salada de tomate.