Os maiores desafios da alimentação infantil

Publicidade

Como é que algo tão essencial e natural, como se alimentar, torna-se tão difícil e cheio de problemas? Não é surpreendente que os pais sejam confrontados todos os dias com este assunto: como alimentar adequadamente seus filhos. Além da dificuldade natural de inserir novidades na dieta dos pequenos, estamos expostos a infinitas variedades de industrializados e fast foods, que chamam tanto a atenção e parecem mais gostosos aos olhos dos pequenos.

Dessa forma, torna-se um desafio para os pais oferecerem aos  filhos bases para uma vida saudável e equilibrada. Para a bióloga e sócio-administradora da empresa Cardápio do Bebê, Luciana Witoslawski, e sua sócia, a nutricionista Cláudia Moronisi, esta é uma questão que não pode simplesmente ser resolvida de forma rápida. “Temos que aprender a importância de envolver nossos filhos com os alimentos e na preparação das refeições, a fim de torná-la divertida, familiarizando-os com novos alimentos”, destacam.

Por outro lado, às vezes, é preciso ser duro, aconselham as profissionais. “Se o seu filho insistir em não comer, dizer a ele não comerá outra coisa, e saber que eles não vão morrer de fome, não é uma filosofia fácil de cumprir, especialmente quando há muitos gatilhos emocionais envolvidos com a alimentação de uma criança pequena, mas que deve ser trabalhada para evitar que os pequenos utilizem a alimentação como forma de ‘chantagem’ para conseguir o que querem.” Experimente algumas das dicas da Cardápio do Bebê para ajudar seu filho a comer melhor:

• Não force a criança a comer um alimento que ela não gosta. Em vez disso, reserve um tempo para explorar esse alimento fora do horário da refeição;

• Converse com criança sobre o que será servido a ela em cada refeição;

• Envolva a criança. Leve-a para fazer compras, tocar os alimentos, explicando de onde eles vêm e depois convide-a para ajudá-lo no preparo;

• Uma boa maneira de explorar os vegetais que eles não gostam é deixá-los explorá-los crus e cozidos. Muitas crianças não gostam do cheiro de couve-flor, mas as pequenas florzinhas crocantes com hummus (pasta de grão-de-bico) ficam muito saborosas;

• Saiba que o paladar de um bebê se desenvolve e muda a um ritmo alarmante. Ele é mais receptivo entre as idades de 7 e 12 meses. Manter a alimentação de um bebê repetida por muito tempo pode resultar em reações adversas aos sabores mais fortes e diferentes;

• Para crianças acima de 3 anos, introduzir tabelas de recompensa se ele comer mais que duas ou três frutas por dia é uma forma de estimular o consumo. As crianças mais jovens vão desfrutar de uma recompensa imediata, como um adesivo.