Meu filho pode ter TDAH?

Publicidade

   Desatenção, hiperatividade e impulsividade. Basicamente, estes são os sintomas clássicos do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Estima-se que a prevalência do TDAH no Brasil em crianças e adolescentes seja de 6%. As primeiras percepções de que algo não vai bem geralmente ocorre na escola. Elas podem ter dificuldade em manter a atenção em sala de aula, deixar tarefas escolares incompletas, cometer erros por não prestarem atenção aos detalhes e serem desorganizadas com seu material.

     “Essas crianças frequentemente exigem cuidados dos professores e no dia a dia podem apresentar dificuldade em seguir instruções, esquecimento de tarefas diárias, perda de objetos com facilidade e podem parecer desligadas em certos momentos”, alertam as neuropediatras da Neuro 4 Kids Dra. Mônica Jaques Spinosa e Dra. Simone Carreiro Vieira Karuta.

     A hiperatividade, por sua vez, é caracterizada pela inquietação psicomotora excessiva, levando à dificuldade de permanecer por tempo prolongado em atividades mais duradouras e com pouca movimentação. Crianças com TDAH normalmente não conseguem permanecer sentados na cadeira, agitam suas mãos ou pés ou estão mexendo em algum objeto durante as atividades escolares. “Elas preferem brincadeiras ativas e normalmente estão correndo, pulando ou escalando móveis”, completam as especialistas.

     Já a impulsividade, orientam a Dra. Mônica e a Dra. Simone, é a dificuldade em conter reações, levando a situações de “agir sem pensar”. “Isto se reflete em respostas precipitadas, intromissões em conversas alheias e problemas em esperar a vez de falar ou fazer algo. Além disso, as crianças podem ter dificuldades de aceitar limites ou enfrentar frustrações”, exemplificam.

     É importante lembrar que essas características isoladas podem ser consequências de problemas ambientais, como adaptação escolar, organização familiar, etc., ou de outros transtornos psiquiátricos. “Para caracterizarmos o quadro como TDAH, os sintomas não devem ser manifestações isoladas: precisam estar presentes durante a história da vida do indivíduo e causar danos significativos às suas atividades diárias”, aconselham. A menor suspeita, busque ajuda especializada para um diagnóstico correto e tratamento adequado, com medicamentos, terapia e psicopedagogia.

Causas

O TDAH tem relação com alterações neurobiológicas e sua principal causa é genética, ou seja, é muito frequente haver pais ou parentes próximos com o mesmo quadro. Lesões prévias no cérebro, acometendo principalmente a região anterior, também são causas conhecidas que podem levar a um quadro de TDAH.