Cuidado com os olhinhos do bebê
Se seu filho fica com os olhinhos marejados, acorda com eles grudadinhos, coça muito ou fica com eles constantemente irritados, é hora de fazer um exame oftalmológico. A avaliação por um especialista pode identificar a causa e oferecer o tratamento adequado. De acordo com a oftalmologista Dra. Ana Laura de Oliveira Almeida, a incidência de doença ocular na infância é significativa, por isso, é imprescindível o exame precoce e o acompanhamento por especialista. “É extremamente importante realizar o Teste do Olhinho para que sejam detectadas doenças graves a partir do nascimento”, complementa.

Publicidade

O lacrimejamento é provocado por dois motivos: excesso de produção ou deficiência na drenagem. “O nosso sistema lacrimal consiste em uma glândula que produz a lágrima e um ducto lacrimonasal que drena a lágrima para a cavidade nasal”, explica. As causas do excesso de produção são relacionadas às doenças da superfície ocular, doenças da córnea ou inflamação ocular. Já a deficiência na drenagem é a obstrução do ducto lacrimonasal, que ocorre em média de 6% dos recém-nascidos, devido a uma imperfeição anatômica.

Quando a causa do lacrimejamento está relacionada ao excesso de produção, o exame oftalmológico pode detectar se a criança apresenta alguma doença ocular, como a conjuntivite, por exemplo, e o oftalmologista indicará a melhor medicação. Caso esteja relacionado à deficiência na drenagem devido à obstrução do ducto lacrimonasal, é indicado esperar até os 6 meses a resolução espontânea do quadro - que pode ocorrer em 90% dos casos. “Ensinamos aos pais realizar a massagem no saco lacrimal para auxiliar no processo de melhora”, informa. Após os 6 meses, persistindo o lacrimejamento, deve ser feito o procedimento da sondagem, em ambiente hospitalar, sob sedação.

Segundo a Dra. Ana Laura, o ato de esfregar ou coçar os olhos pode trazer sequelas ao desenvolvimento da visão. Detectar a causa do prurido ocular e tratar adequadamente é essencial à saúde dos olhos. “O uso inadequado de colírios, ou seja, sem orientação especializada,  pode prejudicar  a visão. Os pais precisam ficar atentos”, adverte a oftalmologista.