Como perceber se a criança tem perda de audição?
 Quando você escuta uma pessoa falando percebe a informação contida em cada uma das palavras formando uma ideia em sua cabeça que depois ficará registrada em sua memória e que será resgatada depois para passar para outras pessoas. Todas essas etapas estão associadas à comunicação que integra todos os nossos sentidos, mas em especial a audição e a linguagem.Utilizamos a audição e a linguagem o tempo todo em nossas vidas, desde a compra do pãozinho na padaria até o desempenho das nossas atividades mais complexas. A equipe de otorrinolaringologistas do Centro de Otorrinolaringologia Pediátrica de Curitiba (Copec) alerta, a seguir, para o problema das perdas auditivas na infância, que pode atrapalhar o desenvolvimento infantil. Confira:

Publicidade

O que causa perda de audição na infância?

Vários motivos podem atrapalhar o bom funcionamento da audição: uma rolha de cerume, um corpo estranho, uma otite, uma má-formação da orelha, infecções durante a gestação, meningite, problemas genéticos, entre outros. Alguns são temporários, como o cerume e as otites, outros permanentes, como as má-formações e as perdas de audição genéticas. Alguns ocorrem desde o nascimento enquanto outros podem ser adquiridos ou se desenvolver ao longo da infância.

Como podemos perceber se a criança tem perda de audição?

Quando a criança nasce, por lei, é necessária a realização do Teste da Orelhinha nos primeiros 30 dias de vida. Porém, é preciso prestar atenção ao longo de toda a infância buscando sinais que possam nos levar a suspeitar que algo não está bem. Atrasos de fala e trocas de letras são sinais importantes e sempre devem ser investigados. Quando os sintomas são leves fica difícil percebermos que há algo de errado, mas mesmo situações que parecem ser comuns da comunicação infantil, como não atender ao chamado do seu próprio nome, gostar de assistir à televisão em volume alto e falar alto, podem ser indicativos de perda de audição quando são frequentes. Os profissionais da otorrinolaringologia e da fonoaudiologia conseguem diferenciar o que é apenas uma questão de comportamento do que é um real problema de saúde.

Quais as consequências da perda de audição para as crianças?

Uma criança que não ouve bem terá dificuldade em entender a linguagem falada e consequentemente em aprender de forma adequada. Além disso, sua memória fica com pequenas falhas de armazenamento, já que não consegue ouvir toda a informação, o que prejudica, além da aquisição do idioma, o seu desempenho escolar, inclusive quando as perdas de audição são temporárias, como as que acontecem nas otites e obstrução do ouvido por cerume ou corpos estranhos. Os sintomas dependem do grau de comprometimento.

Quais os tipos de perda de audição?

Perda leve: crianças com esse tipo de perda de audição são normalmente consideradas distraídas, têm dificuldade em compreender a fala em ambientes ruidosos, como o grupo de crianças da escola, tentam ficar próximas da televisão para entender melhor o programa favorito e podem apresentar pequenas trocas de letra ou omissões de sons.

Perda moderada: traz mais dificuldade para ouvir a voz normal. Também provoca dificuldades nas discussões em grupo e na aula, sendo normalmente necessário o uso de próteses, de treino auditivo e estimulação da linguagem.

Perdas severa e profunda: a criança com esse tipo de perda de audição tem grande dificuldade de comunicação e normalmente não desenvolve linguagem oral espontaneamente. São crianças que normalmente requerem uso de aparelhos potentes ou de implantes cocleares, sempre acompanhados de terapia fonoaudiológica.

Quando a falta de audição atrapalha a linguagem oral?

Em todos os graus existe algum tipo de comprometimento, sendo que no mais leve são apenas trocas ou dificuldade de aprender sons novos enquanto que nas perdas moderada, severa e profunda estão as crianças que apresentam atraso para aprender a falar, sendo assim, a criança que não inicia as primeiras palavras até um ano meio deve ter sua audição avaliada por profissionais experientes.

 

Desenvolvimento da linguagem

0-6 meses 12 meses 18 meses 2-3 anos 4-5 anos
Voz Humana

Voz Materna

Entonação

Vocalizações

 
Alguns fonemas Muitos fonemas

Entonação

 
Ritmo e Volume

Reconhece todos os sons da língua

Compreendido pela família
Domínio

articulatório
Compreensão de frases simples Conhecimento de palavras

Compreensão e produção de frases simples e complexas

Utilização de pronomes

Flexões verbais e nominais
Vocalização

em turno
Vocalização para pedidos, ordens, perguntar, negar Palavras Frases Conversação