Quando devo procurar um dermatopediatra?

 Você já ficou apavorada ao ver uma machinha diferente na pele do bebê ou teve dúvida sobre qual sabonete é o mais recomendado para o seu filhote? Esse pode ser o momento ideal para procurar um dermatopediatra, que, após avaliar o seu bebê, irá orientá-la sobre cuidados específicos com a pele do pequeno. “Mais fina e sensível, a pele do bebê está em processo de desenvolvimento e, por isso, precisa de produtos e cuidados especiais para se manter saudável”, explica a Pediatra com Especialização em Dermatologia Pediátrica Dra. Juliana Gomes Loyola Presa. Confira, a seguir, mais informações sobre o assunto com a especialista:

Publicidade

Quando a mamãe deve levar o bebê ao dermatopediatra pela primeira vez?

A pele do bebê está em processo de desenvolvimento, por isso é considerada imatura. Principalmente durante o primeiro mês de vida, a pele pode apresentar lesões características dessa fase que, na maioria das vezes, são consideradas fisiológicas, ou seja, que desaparecem sem a necessidade de um tratamento específico. Algumas manifestações mais extensas, mesmo benignas, podem preocupar os pais e, nesses casos, a orientação do Dermatologista Pediátrico é necessária.

Já ao nascer, bebês podem ter manchas na pele de diversas tonalidades. Manchas avermelhadas e que durante o primeiro mês de vida sofram alteração na cor e no tamanho (podendo ficar elevadas) devem ser avaliadas. Durante os primeiros meses, em razão de ação de hormônios produzidos pela criança e passados pelo leite materno, a pele pode ser bastante oleosa e formar uma descamação (“casquinhas”), características da Dermatite Seborreica. Muitas vezes, as manifestações podem ser bem intensas e acontecer em muitas regiões do corpo. Orientação aos pais, medicações e cuidados específicos auxiliam na melhora clínica.

A dermatite atópica é uma das doenças que mais leva as crianças ao dermatopediatra. Como tratá-la?

A Dermatite Atópica é uma doença crônica, que desencadeia inflamação na pele. São várias as causas, como fatores genéticos, interferência de fatores ambientais e emocionais. O suor é um irritante para a pele atópica, assim, nos dias quentes de verão, a pele de áreas de dobras, regiões cobertas pela fralda e pescoço podem ficar vermelhas e com coceira. O tratamento é baseado na orientação dos pais, para o controle das manifestações clínicas. Hidratantes são fundamentais e devem ser usados em todas as fases. Medicamentos de uso tópico ou mesmo por via oral podem ser necessários e devem sempre ser indicados por médicos. Banhos durante o dia, somente com água ou associados a chá de camomila, auxiliam na retirada do suor e ajudam a pele a não irritar. Usar um burrifador com água pode ser uma alternativa refrescante.

Em que momento é necessário procurar tratamento para as assaduras?

A dermatite na área de fralda ou assadura é uma inflamação na pele, que causa um grande desconforto para as crianças. Existem casos em que a assadura é persistente e de difícil controle, nos quais se tornam necessário o acompanhamento e orientação especializada. Doenças como dermatite atópica, dermatite seborreica, psoríase, infecção por fungos podem ser responsáveis por assaduras de difícil controle. Algumas medidas ajudam a tratar e a evitar a assadura, como: evitar o lenço umedecido a cada troca de fralda; lavar o bumbum com água e sabonete neutro depois da criança evacuar; deixar a pele exposta por alguns minutos no sol da manhã; e trocar frequentemente a fralda do bebê.

Quais sabonetes são indicados para bebês?

A pele da criança é mais fina e sensível e, por isso, os produtos usados devem ser específicos. O sabonete ideal é aquele que não possui perfume ou corante, que seja pouco detergente, ou seja, que retire menos gordura da pele, e que tenha o pH ácido. Existem sabonetes específicos para pele sensível e com maior risco de inflamar (como na dermatite atópica), que possuem estas características. Em geral, é preferível usar sabonetes líquidos ao invés daqueles em barra. Deve-se evitar o uso diário de sabonetes antissépticos, pois eles alteram a barreira protetora da pele.

E protetor solar?

O uso do protetor solar deve ser diário, mesmo nos dias nublados. A partir dos 6 meses aos 2 anos utilizar somente filtros 100% físicos (filtro ”baby” ou “mineral”). Antes da primeira aplicação, testar o filtro em uma pequena área de pele e observar se ocorre irritação nas primeiras 24 horas. O ideal é que o protetor solar tenha um FPS de 30 ou mais.

Alergia a picada de inseto é bastante comum na infância. Como tratar?

Muito comum na infância, a alergia a picada de inseto pode ser responsável por grande incômodo. No local da picada se forma uma área vermelha e a coceira é bem intensa. Muitas vezes, surge irritação mesmo em lugares da pele que o inseto não picou. Crianças até os 2 anos podem usar somente repelentes naturais, como a citronela. Após essa idade, repelentes artificiais, no máximo 2 vezes ao dia, evitando aplicar na face. No local da picada, o uso de substâncias naturais com ação anti-inflamatória, como calamina e camomila, ajudam a reduzir o vermelho e a coceira.

A partir de qual idade as meninas podem usar maquiagem e esmalte?

O uso pelas meninas cada vez mais precoce de cosméticos, esmaltes e bijuterias tem sido associado a um risco aumentado de sensibilização e uma forma de  dermatite de contato. Mesmo os produtos ditos específicos para crianças ou hipoalergênicos possuem o risco de provocar alergia. O ideal é evitar e postergar ao máximo o uso de cosméticos e semelhantes, especialmente durante a infância, até os 10 anos de idade.