A importância dos testes da Orelhinha e da Linguinha
Todo bebê está sujeito a apresentar possíveis problemas auditivos ao nascer ou adquiri-los nos primeiros anos de vida. Por isso, é fundamental que o bebê, assim que nasça, faça alguns exames para saber se está tudo bem. Um desses exames é o Teste da Orelhinha, realizado para detectar precocemente alterações auditivas, que poderão interferir na qualidade de vida da criança. “O indicado é que todo bebê faça a avaliação logo após o nascimento. O exame é rápido e indolor, feito durante o sono natural do bebê. E o resultado é imediato”, informam as fonoaudiólogas Dra. Fabíola Sócrates de Bastos e Dra. Maria de Lourdes Campos de Santana.

Publicidade

Alguns fatores de risco podem afetar a audição do bebê, como baixo peso ao nascer, doenças congênitas, anormalidades do pavilhão auricular, fissuras labial e/ou palatina, internação em UTI por mais de 48 horas, uso de medicamentos ototóxicos. “Toda criança está sujeita a nascer com alguma deficiência auditiva, e sem exames específicos, como o Teste da Orelhinha, é comum perceber a alteração somente por volta de 2 anos de idade, quando a criança começa a apresentar problemas na fala.”

As fonoaudiólogas explicam que é essencial que a identificação do problema auditivo seja precoce. Atualmente, sabe-se que a surdez deve ser diagnosticada e tratada até o sexto mês de vida, quando o bebê começa a desenvolver a fala ouvindo os sons que ele mesmo emite. “A identificação precoce do problema possibilita oferecer à criança melhores condições para o seu desenvolvimento”, ressaltam.

Teste da Linguinha e a Amamentação

O Teste da Linguinha é realizado para identificar problemas que podem resultar em dificuldades na fala, sucção, deglutição e mastigação. Pode e deve ser realizado durante a amamentação. “O exame consiste na avaliaçõa do frênulo da língua do recém-nascido durante a mamada. É rápido e indolor”, explicam.

É na amamentação que os bebês recebem pelo leite materno imunidade contra inúmeras doenças e nutrientes indispensáveis para o seu desenvolvimento. Vale ressaltar que o aleitamento materno também beneficia as mamães, diminuindo o risco de câncer de mama e de ovários e ajuda o útero a recuperar seu tamanho normal.

O fonoaudiólogo é o profissional capacitado para orientar na amamentação, auxiliando no posicionamento do bebê e na pega correta do seio materno. As fonoaudiólogas finalizam que a amamentação deve ser prazerosa tanto para o bebê quanto para a mamãe.