Quando a fisioterapia pélvica é indicada para gestantes?
O corpo da mulher passa por diversas alterações fisiológicas e biomecânicas durante a gestação que podem gerar desconfortos! Não apenas dores articulares e musculares, como a maioria sabe, mas também incontinência urinária e dor sexual. A boa notícia é que a fisioterapia pélvica irá auxiliar na melhor adaptação da biomecânica corporal da mulher e na prevenção ou tratamento dessas disfunções, explica a fisioterapeuta pélvica Dra. Giovanna Faglioni. Saiba mais:

Publicidade

A fisioterapia pélvica é indicada apenas para quem deseja parto normal?

Não. O trabalho de preparação perineal para o parto normal ajuda a evitar a necessidade de episiotomia ou laceração perineal durante a passagem do bebê. Com a musculatura preparada para o parto vaginal, podemos evitar as sequelas do pós-parto. Porém, a fisioterapia pode ser sua aliada independente da via de parto. Com o acompanhamento da fisioterapia pélvica você terá uma melhor conscientização corporal e do assoalho pélvico, prevenindo e tratando quadros de incontinência urinária, prolapso dos órgãos pélvicos (bexiga caída), diástases abdominais e possíveis dores decorrentes das alterações posturais causadas na gestação, levando também a uma recuperação mais rápida no pós-parto.

Perder urina na gestação é normal?

Perder urina em nenhuma situação é normal, na gestação não é diferente. A Sociedade Internacional de Continência (ICS) recomenda que as gestantes façam acompanhamento com profissional especialista para fortalecer e preparar a musculatura do assoalho pélvico no pré-natal a fim de prevenir a incontinência urinária na gestação e no pós-parto.

Por que fazer fisioterapia no pós-parto?

Você sabia que em alguns países a fisioterapia no pós-parto é rotina obrigatória? A recuperação perineal pós-parto pode evitar necessidade futura de cirurgias para correção de incontinência e de prolapsos de órgãos pélvicos como bexiga e útero. O treino e fortalecimento dos músculos do assoalho pélvico tem nível de evidência 1 para o tratamento da incontinência urinária, segundo a Sociedade Internacional de Continência.

Outras atuações da fisioterapia pélvica

• Incontinência urinária e fecal em homens, mulheres, crianças e idosos;

• Disfunções sexuais femininas (vaginismo, dispareunia, vulvodínia, flacidez vaginal, anorgasmia, atrofia vaginal etc.);

• Gestação, parto e pós-parto;

• Oncologia (estenose de canal vaginal/anal).