Nem tudo que te falam sobre gravidez é verdade. Conheça alguns mitos
A partir do resultado positivo do exame gestacional, a vida do casal se transforma. Não é apenas o corpo da mulher que ganha novos contornos e um novo metabolismo para gerar uma nova vida. As emoções, a rotina, os cuidados com a saúde e o corpo também se alteram e, como toda novidade, esse momento traz diversas dúvidas.

Publicidade

Quase todo mundo, ao ver uma gestante, quer tocar sua barriga e lhe contar alguma história. Geralmente são “casos” que aconteceram com conhecidas e “conselhos” que se parecem com histórias de terror e deixam as futuras mamães apavoradas. Elas chegam ao consultório com medos infundados. O ginecologista e obstetra Dr. Domingos Mantelli resolveu, então, fazer uma lista de mitos e verdades que vão ajudar a trazer noites tranquilas às mamães, para que possam curtir o barrigão. Confira alguns:

 

Casais que pretendem engravidar devem passar por uma avaliação médica antes da concepção?

Verdade. O ideal é consultar o ginecologista antes da concepção. Há vários exames que devem ser feitos por ambos para que, se for detectada qualquer alteração ou doença, esta possa ser tratada antes de engravidar. É essencial também que o ginecologista oriente o casal – e não apenas a mulher – quanto à ingestão de ácido fólico, que ajuda a prevenir a má-formação do tubo neural do bebê. A ingestão recomendada é de 5mg ao dia, sendo iniciada, preferencialmente, 90 dias antes da concepção.

 

A endometriose impede a gravidez?

Mito. A endometriose não impede a gestação, mas pode dificultá-la. Cerca de 50% das mulheres com o problema apresentam infertilidade. É imprescindível destacar que infertilidade e esterilidade são distintas: a mulher estéril não pode engravidar, já a mulher infértil tem dificuldades para conceber.

 

Quem toma anticoncepcional por muito tempo, em geral, não engravida logo em seguida à suspensão do uso?

Mito. A quantidade de tempo que a mulher tomou anticoncepcional não influi na sua fertilidade. Ela pode engravidar logo após a suspensão do uso, mas acontece que algumas, às vezes, ficam com os hormônios da pílula impregnados nas células de gordura e, nesses casos, mesmo com a interrupção do uso, os efeitos do contraceptivo continuam no organismo por algum tempo. Por isso, os médicos consideram normal o período de até um ano de tentativas de engravidar após a suspensão do uso.

 

A pressão social da família e dos amigos pode atrapalhar a concepção?

Verdade. O estresse e a expectativa fazem mal ao casal. Cobranças sutis ou ostensivas só aumentam ainda mais esse estresse e os hormônios liberados em consequência disso podem alterar o equilíbrio do organismo e mudar drasticamente o pH vaginal, dificultando ainda mais a gestação.

 

A posição e o dia da relação sexual podem ajudar a determinar o sexo do bebê?

Verdade. Estudos mostram que as posições sexuais nas quais o pênis fica mais próximo do colo do útero no momento da ejaculação favorecem a geração de bebês do sexo masculino. Isso acontece porque o espermatozoide que carrega o cromossomo Y, que vai gerar um menino, é mais leve, mais rápido e menos resistente do que aquele que carrega o cromossomo X, que vai gerar uma menina e que, por sua vez, é mais lento, porém mais resistente ao pH vaginal.

Há também uma relação entre o dia do ciclo menstrual em que a relação sexual acontece e o sexo da criança. Quando a relação acontece no dia da ovulação, os espermatozoides com cromossomos masculinos podem chegar ao óvulo antes daqueles com cromossomos femininos. Se a relação se dá antes ou depois do dia da ovulação, aumentam as chances dos espermatozoides com cromossomos femininos fecundarem o óvulo, pois duram mais tempo e são mais resistentes.

 

Sexo pode prejudicar o bebê?

Mito. A não ser que exista risco de aborto ou qualquer outro impedimento clínico, a atividade sexual é permitida ao longo da gestação e ajuda até a trazer bem-estar ao bebê, que consegue perceber o carinho do casal.

 

Casais vegetarianos devem rever a dieta quando decidirem engravidar?

Verdade. É preciso consultar o médico e um nutricionista para avaliar cada situação para poder compensar a possível carência de alguns nutrientes. As mulheres vegetarianas, por exemplo, podem ter deficiência de zinco, que é importante para a função reprodutiva.

 

Toda gestante sente náuseas?

Mito. Embora os enjoos sejam muito comuns na gravidez, especialmente durante o primeiro trimestre, nem toda mulher tem esses sintomas. Há uma doença na gestação, a hiperemese gravídica, que acomete de 0,5% a 2% das gestantes, e caracteriza-se pela presença de vômitos intensos, que aparecem no início da gestação, reduzindo após o quarto mês, geralmente.

 

Toda mulher pode ter parto natural?

Mito. Nem todas as gestantes podem ter esse tipo de parto. Cabe ao médico avaliar as condições de saúde da gestante, seu peso e o do bebê, o tamanho da criança e a flexibilidade da mamãe. Há casos em que a cesárea é indicada para não colocar em risco a vida da mãe e do filho.

 

Para saber mais mitos e verdades leia “Gestação: Mitos e Verdades Sob Olhar do Obstetra”, lançamento do autor Dr. Domingos Mantelli (2013, Editora Segmento Farma).