Dicas para cuidar do períneo
Você descobre que está grávida e começa a planejar cada detalhe da gestação, para que o bebê chegue de forma saudável. Entre tantos cuidados, torna-se necessário comer bem, praticar uma atividade física e cuidar do períneo. Isso mesmo. Para quem ainda não está familiarizado com o termo, o períneo é a região que compreende a vagina e o ânus, a qual faz parte de uma estrutura maior e mais complexa chamada assoalho pélvico, conjunto de tecidos (músculos, ligamentos, fáscias), cuja principal função é dar suporte e sustentação para os órgãos pélvicos e abdominais, além de promover a continência urinária e fecal, e participar ativamente no parto vaginal. “Por isso, a fisioterapia pélvica atua como uma importante aliada na preparação e proteção do períneo nesse momento da vida da mulher que causa tamanho estresse para essa região”, explica a fisioterapeuta, especialista em reabilitação pélvica, Dra. Thais Cristine Lopes de Sousa.

Publicidade

Cada vez mais mulheres têm se preocupado em se preparar para o momento sublime da gravidez. E, ao mesmo tempo, os profissionais da saúde, compreendendo a importância e o impacto da gestação na vida da mulher, têm buscado com suas habilidades evitar ao máximo os desconfortos e problemas indesejáveis. “A fisioterapia pélvica tem uma contribuição singular, pois irá preparar o assoalho pélvico para a sobrecarga que irá ser submetido durante o crescimento da barriga da gestante e o aumento de peso, para que essa estrutura preserve suas funções e a mulher não venha sofrer com incontinência urinária, incontinência anal/fecal, prolapsos de órgãos pélvicos (como queda de bexiga), disfunções sexuais (dor durante a relação sexual, por exemplo), especialmente no pós-parto”, informa.

Os músculos que compõem o assoalho pélvico devem apresentar tônus adequado, habilidade de contrair e relaxar, força, resistência e coordenação como qualquer outro músculo do corpo. “É fundamental que toda mulher saiba como está a saúde do seu períneo, ou melhor, do seu assoalho pélvico, principalmente aquelas que pretendem engravidar ou já estão grávidas, pois, assim, terão condições de intervir com o treinamento específico e orientado para esses músculos e prevenir uma série de disfunções pélvicas, que comprometem bastante a qualidade de vida, como a incontinência urinária, por exemplo.”

É necessário investir em exercícios para essa musculatura, ao longo dos nove meses. De acordo com a Dra. Thais, é feita uma avaliação fisioterapêutica precisa, que compreende a coleta da história ginecológica, obstétrica, sintomas urinários, funcionamento intestinal, atividade sexual, identificação de queixas, exame físico, incluindo a região perineal, além da leitura eletromiográfica. A partir daí, inicia-se o treinamento dos músculos do assoalho pélvico. Após o nascimento do bebê, os cuidados com o períneo devem ser retomados, para recuperar a firmeza da musculatura.