Conheça os tratamentos para a infertilidade do casal

Publicidade

Para a maioria dos casais a tão desejada gravidez acontecerá naturalmente, sem maiores dificuldades. Porém, em 10% a 15% dos casos, a gestação não acontece nos primeiros 12 meses de tentativas e, então, serão necessárias investigações e auxílio médico especializado. Se esse for o seu caso, não se assuste, não se intimide.

Os ginecologistas e obstetras Dr. Alfonso Massaguer e Dra. Mariana Lautenschlager explicam como exames gerais ou procedimentos de reprodução humana podem te ajudar a se tornar mãe!

O casal que deseja ter um filho deve consultar-se com um especialista. O que é a consulta pré-concepcional?

É uma consulta realizada com o casal que deseja engravidar para conhecer antecedentes de saúde, de doenças crônicas e infecciosas, situação vacinal, tipagem sanguínea, hábitos de vida e alimentares, dosagens vitamínicas e até características menstruais e reprodutivas dos cônjuges, a fim de orientá-los e prepará-los para o momento da concepção.

É possível determinar qual casal poderá engravidar naturalmente nesta consulta?

Não totalmente, mas características do casal poderão sugerir maior ou menor chance de sucesso de gestação natural. Casais com suspeita de infertilidade deverão avançar na investigação clínica, laboratorial e de imagem e, se possível, consultar médico especialista em reprodução humana, para melhores esclarecimentos.

Quanto tempo após o início das tentativas de gestação deve-se procurar um centro de fertilidade?

A análise é individualizada, mas, no geral, orientamos:

•Após um ano de tentativas: casais sem causa aparente de infertilidade e futura mãe de até 35 anos;

•Após seis meses de tentativas: casais sem causa aparente de infertilidade e futura mãe maior de 35 anos;

•Assim que houver desejo reprodutivo: casais de qualquer idade com suspeita de infertilidade; casais com doenças possivelmente transmissíveis ao embrião, sejam elas genéticas, cromossômicas ou infecciosas; casais homoafetivos; produções independentes.

Tratamentos disponíveis para a infertilidade conjugal

•Inseminação Artificial ou Inseminação Intrauterina

Consiste em depositar espermatozoides previamente capacitados no interior do útero.

Indicações: ciclo menstrual irregular, com ou sem tratamento; muco cervical hostil; alterações leves no espermograma; uso de esperma doado; infertilidade sem causa aparente, entre outras.

• Fertilização in Vitro – FIV

Consiste em formar embriões fora do corpo materno, em laboratório.

Indicações: mulheres com trompas alteradas ou obstruídas, quando o encontro natural dos gametas não é possível; óvulos de má-qualidade, em pequena quantidade ou óvulos doados; alterações moderadas do espermograma.

•ICSI - Injeção Intracitoplasmática

Técnica de fertilização in vitro que se caracteriza pela introdução do espermatozoide diretamente dentro do óvulo, utilizando-se uma microagulha. Um único espermatozoide basta.

Indicações: espermatozoides em quantidade mínima ou ausente no ejaculado, com formato e/ou mobilidade alteradas; doenças infecciosas, como HIV e Hepatite C.

•Preservação de gametas

Congelamento de óvulos ou espermatozoides para utilização futura.

Indicações: doação de sêmen; pacientes que serão submetidos a tratamentos médicos, cirúrgicos, de radio ou quimioterapia; pacientes com doenças que podem causar infertilidade; antes de vasectomias; após punções de testículos.

• Preservação de embriões

Uma vez fertilizados, gametas tornam-se embriões que, conforme desejo do casal, também poderão ser congelados.

Indicações: preservação de embriões excedentes; escolha do momento mais adequado de transferência; minimização de risco de hiperestímulo; multiplicação das possibilidades de transferências embrionárias após coleta.

• Biópsia Embrionária, “PGD” ou Diagnóstico Pré-Implantacional

Consiste na retirada de uma ou mais células de embrião, ainda em laboratório, para estudo genético e cromossômico. Cerca de 130 alterações podem ser detectadas, evitando-se implantação uterina de embriões alterados.

•Doação de espermatozoides

Candidatos são avaliados por testes laboratoriais sorológicos e de tipagem sanguínea. A amostra é liberada para doação se os exames se mantiveram negativos. Características físicas, intelectuais, profissionais, psíquicas e tipagem sanguínea do doador são relatadas, a fim de compatibilizar receptores e doadores.

Indicações: ausência de espermatozoides no ejaculado e biópsia testicular; falha repetidas após técnicas de reprodução; doenças genéticas paternas não passíveis de estudo pré-implantacional; mulheres sem parceiro masculino.

• Ovodoação

A ovodoação segue a mesma regulamentação ética e legal da doação de sêmen, sendo voluntária, não remunerada e confidencial. A coleta para a doação de óvulos é realizada após estimulação ovariana, de forma idêntica a utilizada na técnica de FIV.

Indicações: ausência ou má qualidade de óvulos, normalmente secundárias à idade materna avançada e/ou menopausa precoce; doenças genéticas maternas transmissíveis; más respondedoras; falhas repetidas de fertilização; aborto de repetição.