A importância do ultrassom na gravidez
A partir do momento em que a mulher descobre que está grávida, ela já começa a pensar em fazer um ultrassom, exame fundamental para acompanhar o progresso da gravidez e a saúde da mamãe e do bebê. “É um método diagnóstico não invasivo, que auxilia o médico pré-natalista no acompanhamento da gestação e rastreamento de patologias maternas e/ou fetais”, explica a ginecologista e obstetra Dra. Clarissa Marini Pinto Japiassu.

Publicidade

São indicadas, em média, quatro ultrassonografias durante o pré-natal: obstétrica endovaginal, no período embrionário, morfológica do primeiro trimestre, morfológica do segundo trimestre e ultrassonografia obstétrica, para avaliar o crescimento fetal e alterações da placenta e cavidade amniótica.“Recomenda-se que o primeiro exame seja feito por volta de 8 semanas de gestação, para que sejam vistas todas as estruturas do bebê. Sabemos que após a 13a semana o diagnóstico do sexo torna-se mais acertado. Entretanto, caso seu médico esteja com dificuldades para ver com clareza o sexo do bebê, não exija uma resposta precipitada, que pode levar a sérios problemas futuros, como ter que trocar o enxoval”, informa.

Segundo a Dra. Clarissa, o ultrassom consegue identificar patologias maternas, como más-formações uterinas (útero bicorno, septado, didelfo), massas pélvicas de origem uterina e/ou tubária/ovarina (miomas, cistos, tumores), patologias da placenta (descolamento e inserções anômalas) e da cavidade amniótica (aumentada ou diminuída) e patologias fetais, como más-formações. O exame mostra-se também útil para rastreamento de parto prematuro (avaliando comprimento do colo uterino) e DHEG (Doença Hipertensiva Específica da Gestação) – associado ao doppler.

Objetivos dos exames:

1º trimestre:

Confirmar presença e localização da gravidez, se única ou múltipla, definir causa de sangramento vaginal, avaliar dor pélvica, estimar idade gestacional, confirmar atividade cardíaca, avaliar patologias uterinas e ovarianas, avaliar suspeita de mola hidatiforme, rastrear anomalias cromossômicas, detectar más-formações graves e guiar biópsia de vilosidades coriônicas.

2º e 3º trimestres:

Estimar a datação da gestação, avaliar crescimento fetal, sangramento vaginal, dor pélvica ou abdominal e massas pélvicas, confirmar suspeita de mola hidatiforme, determinar apresentação fetal, avaliar placenta e cavidade amniótica, guiar procedimentos invasivos (amniocentese, cordocentese), rastrear más-formações fetais e anomalias cromossômicas.

Esse conteúdo foi feito em parceria com

Dra. Clarissa Marini Japiassu


Conheça mais dele