Prepare seu filho para a chegada do irmãozinho
“Estou grávida novamente!” Que maravilha! Agora já não sou “mamãe de primeira viagem”, conheço e já sei muito sobre as fases que vou atravessar durante a gestação e no pós-parto; o papai também já sabe o que é vivenciar esse processo e, apesar de uma gravidez nunca ser igual a outra, a insegurança já não será tão grande quanto da primeira vez. Mas e o primogênito? O que ele acha da novidade? Será que terei problemas com ciúmes e carência por parte dele?” Para esclarecer essas e outras  dúvidas, entrevistamos as psicólogas Patrícia Serejo e Penélope Ximenes, da Clínica Super Infância Psicologia Infantil:

Publicidade

 

Como falar para a criança sobre a gravidez e a consequente chegada do irmãozinho?

Devemos falar a verdade para a criança, mas sempre adequando a fala para a sua idade. A forma de falar depende dos valores e cultura de cada família. Algumas falam de aspectos religiosos e outras, da história da sementinha, por exemplo. Porém, é importante dizer para a criança que o filho é fruto de uma relação entre duas pessoas que têm o compromisso de amar, cuidar e educar esta criança. Além das palavras, é importante mostrar com ações que o primogênito continua sendo amado, cuidado e protegido pelos pais. Os pais não devem dizer apenas as coisas boas da vinda do irmão, devem prepará-lo, pois o mais novo no início precisará de mais atenção porque é muito pequeno.

 

Como o casal deve agir para que o primeiro filho se sinta envolvido nesse processo de forma positiva?

O casal deve envolver o primogênito na preparação para a chegada do irmão, mostrando para ele que sua opinião é importante e valiosa. Pode aproveitar para contar como foi quando ele nasceu, para ele perceber que também teve toda esta atenção. O filho mais velho deve ter a chance de escolher se quer ou não participar da preparação. Não deve ser obrigado. Contudo, se ele consistentemente se recusar a participar, é sinal de que não está lidando bem com a situação!

 

Em alguns casos, a criança pode manifestar o ciúme de forma agressiva. Como os pais devem proceder caso isso ocorra?

A criança pode emitir comportamentos agressivos, comportamentos regressivos, tendência ao isolamento ou problemas de sono ou de alimentação. Essas reações podem sinalizar sentimentos de ciúme, frustração e de substituição pela chegada do irmão. É uma forma que a criança tem de comunicar uma insatisfação, um problema. Os pais devem, então, acolher a demanda emocional do filho, protegê-lo, dar segurança e apoio e, também, ensiná-lo a comunicar seus problemas de forma mais adequada, que não tragam prejuízo para a própria criança e para as relações familiares.

 

Atualmente a diferença de idade entre os irmãos varia entre quatro e cinco anos. Uma criança que se acostuma a ser “filho único” durante esse intervalo pode se tornar mais individualista e ter mais dificuldades em dividir o seu espaço?

Os comportamentos de cooperação devem ser ensinados pelos pais mesmo que não planejem ter outros filhos, pois a criança frequentará a escola, a Igreja, o parque, festas de família. Em todos esses lugares, ela deverá saber dividir, perder, respeitar a vez do próximo. Ter um irmão é uma ótima oportunidade para aprender comportamentos cooperativos em casa, quando as situações de conflito são conduzidas de forma saudável pelos pais. Se o primogênito, na chegada do irmão, ainda não tiver desenvolvido tolerância e respeito pelas outras pessoas, enfrentará um desafio maior.

 

Dicas da Super Infância durante a gestação:

- Quanto mais cedo ocorrerem as mudanças na rotina do primogênito, menos ele as interpretará como perdas devido à chegada de um novo filho. Por exemplo, trocar o seu berço pela cama no início da gestação, porque o primogênito já está bem grandinho e a cama será mais confortável para ele, em vez de colocá-lo na cama porque o bebê precisará do berço.

- Falar da chegada do irmão, envolver o primogênito nas preparações, levá-lo aos exames de ultrassonografia são atitudes que ajudam a criança a desenvolver um vínculo com o irmão, mesmo antes de seu nascimento.

- Encorajar o filho a perceber-se como filho que veio primeiro - o maior, o mais velho. Mostrar fotos e contar-lhe sobre sua gestação.

Após a chegada do bebê:

- Contar com a ajuda dele para os cuidados com o bebê, elogiando-o e fazendo-o perceber seu espaço na família.

- Conversar com o primogênito mesmo quando estiver cuidando do bebê.

- Manter expressões de amor e comportamentos de proteção em relação ao primogênito.

- Preservar a rotina da criança.

- Contar com a ajuda de familiares nos cuidados com o bebê para que os pais possam despender tempo de qualidade com o primogênito.