Como controlar birras do seu filho?
Gritos histéricos, choro, pernas e braços se debatendo, objetos atirados pelos ares, recusas fervorosas para tomar banho, comer a sopa ou aquele conhecido jogar-se no chão, autoagredir e/ou agredir a outros.  Segundo a  Psicóloga e Psicopedagoga Dra.  Gasparina Louredo de Bessa Braga (Gabi), birras são comuns em  crianças de até cinco anos, sendo apontadas atualmente como uma das maiores vilãs do mundo infantil. A Dra. Gabi afirma que, apesar dos transtornos, as birras devem ser bem-vindas, pois são expressões saudáveis do desenvolvimento intelectual. “Devemos sim é ter cautela, coerência e sabedoria ao lidar com estes comportamentos.” Para isso, a psicóloga, que também é especialista em neuropsicologia, deixa dicas importantes  para as mamães e papais aprenderem a controlar birras sem podar o desenvolvimento da autonomia  e da criatividade dos baixinhos:•A primeira delas é manter a calma e não se desesperar. Gritar, reclamar, perder o controle, fazer ameaças/promessas só reforça esse comportamento.• É importante dar  um pouco de atenção sem delongar nas broncas ou usar a força agressiva.

Publicidade

• Colocar-se ao nível da criança, dar explicações claras e curtas e, em alguns casos, estabelecer contato físico (abraçar, pegar no colo), mudar o foco da atenção, acalmar sem ceder ao pedido.

•Nunca ceda às birras. Os pais devem ser firmes, mesmo que o filho chore e fique com raiva, isto mostrará à criança que há tempo para tudo e a ensinará a lidar com frustrações.

• Ao final da birra, converse sobre o episódio – o que estava certo ou errado, porque não pode voltar a acontecer, as consequências de uma futura birra e do bom comportamento.

• É necessário  conversar muito sobre tudo que se vai fazer, estabelecer limites e regras, isto contribuirá  para evitar a teima,  deixará a criança mais segura e confiante.

• Estejam  atentos  às situações que antecedem às cenas de birras, muitas delas podem ter como pano de fundo o cansaço, fome, estresse, desconforto emocional, etc.

Apesar de serem fases passageiras, comuns e importantes ao desenvolvimento infantil, birras podem ser também o início de sérios problemas, levando mães, pais e filhos à loucura e, em algumas situações, causarem graves distúrbios comportamentais. “O momento de buscar ajuda de um psicólogo é justamente este, quando as birras vão perdurando por muito tempo, tornando-se cada vez mais constante e de difícil controle; ou em situações de prevenção, quando os pais perceberem suas dificuldades em lidar com os episódios.”