Como a criança se socializa?
“Ele saiu ao avô, é sério, de poucos amigos” ou “Ela é extrovertida e brincalhona, como a mãe”. Conforme o bebê vai crescendo, consegue-se classificar sua personalidade de acordo com o contexto familiar, afinal é onde inicia-se a sua socialização. A primeira unidade social da criança é formada pelo pai, mãe e irmãos, conforme explica a psicóloga clínica e diretora do Espaço de Desenvolvimento e Educação Infantil Criança em Foco Fernanda Soares Roche. “E, assim, deslizando entre gerações, estabelecemos o ponto de partida para a ampliação de mundo que nossos filhos farão, a partir de nós, dos avós, tios, padrinhos ou até mesmo de seus cuidadores”, completa.Segundo a especialista, pesquisas recentes têm apontado que os bebês são seres sociais desde a vida intrauterina, que buscam se engajar em relacionamentos afetivossociais desde poucas horas após seu nascimento. Trata-se de um instinto explicado, em grande parte, pela necessidade de autopreservação, em uma fase em que o bebê é dependente de alguém que o cuide e proteja. “Dessa forma, o bebê vai adquirindo habilidades sociais que lhe permitem ter uma sensação de pertencimento, primeiro a alguém, mais adiante a um grupo e, gradativamente, à sociedade”, reitera.

Publicidade

O bebê, então, vai passando da dependência absoluta a uma fase de consciência da dependência, para seguir rumo à autonomia. A psicóloga destaca que não se pode falar em autonomia se a criança não teve a oportunidade de passar pelas fases psíquicas anteriores. Ela, inclusive, observa que é um erro analisar como positivo o desenvolvimento de uma “pseudo-independência” ou um mecanismo de defesa baseado no desapego.

“Ou seja, algumas vezes, ouvimos dizer que o bebê é ‘independente”, que ‘praticamente se criou’, que ‘se basta’ ou ‘não dá o menor trabalho’. Existe uma linha tênue entre a criança que atingiu sua independência, galgando patamares em um ambiente favorável, atento e disponível por algum tempo, e que se aventura a conseguir fazer algo a seu modo, e aquela criança que, por não encontrar um adulto disponível para ela por algum tempo maior, precisou ‘se virar’, tornando-se ‘autossuficiente’”, afirma Fernanda.

Nesse sentido, é importante refletir sobre os diferentes cenários sociais, os modelos disponíveis, as diversas formas de interação que eles propiciam, os medos e conflitos gerados por eles e as soluções que um bebê encontra para os impasses. “Isso é fundamental para que possamos oferecer o equipamento emocional necessário, para o bebê se transformar numa criança competente socialmente, em qualquer que seja o ambiente”, finaliza.