Acnes, estrias e celulites na adolescência
Com a chegada da puberdade, os adolescentes sofrem mudanças psíquicas e alterações hormonais. Como se não bastasse, ainda surgem as indesejáveis espinhas, estrias e celulite. Mas não é motivo para desespero! “Atualmente, há vários tipos de tratamentos apropriados para cada caso. É fundamental ficar atento a esses problemas, afinal, para o adolescente a imagem corporal ajuda a melhorar a autoestima, o que contribui para o bom desenvolvimento psicológico”, explica a dermatologista e nutróloga Dra. Wagna Cristini Rocha. Confira as informações com a profissional:

Publicidade

Acne

A acne surge no início da adolescência. Ocorre o aumento da produção do sebo glandular e com isso as bactérias vão habitar o folículo, causando o cravo (comedão fechado preto) ou cravo branco (comedão aberto). Os adolescentes devem se submeter ao tratamento adequado, a fim de evitar que haja evolução do quadro, causando cicatrizes indesejadas.

Para a acne grau I e II (cravos) há o tratamento tópico, sabonetes adequados, loção de limpeza que controle o pH da pele e limpeza de pele no consultório. Já para a acne grau III e IV pode se fazer o tratamento provisório com antibióticos, terapia para atingir as internas, associado a medicações tópicas e limpeza de pele. Paciente com acne grau III e IV persistentes, pode-se lançar mão do tratamento com isotretinoína.

Estrias

Estria é a ruptura da pele, ou seja, quebra das fibras colágenas, devido à herança genética ou por conta de um estiramento por ganho de peso, crescimento rápido ou uso de corticoides. Geralmente, nas meninas, as estrias surgem nas mamas e nas áreas laterais das coxas e nádegas, nos meninos aparecem no dorso do tronco.

As estrias podem ser vermelhas (iniciais), brancas (antigas), atróficas (deprimidas) e hipertróficas (apresenta relevo). Os tratamentos, como carboxiterapia, intradermoterapia, peeling, dermobrasão, dermarooler, subcision e CO2 fracionado, são feitos de acordo com o tipo de estrias e condições do paciente.

Celulite

Bastante comum nas meninas, a celulite tem surgido em idade precoce e é quase inevitável, uma vez que os hormônios femininos facilitam a retenção de líquidos, e o erro alimentar contribui para sua evolução. Além disso, hereditariedade, falta de atividade física e alterações circulatórias são fatores causadores.

Prevenir é a melhor opção. Não engordar e se alimentar de forma equilibrada. Para que a celulite não evolua, causando o efeito casca de laranja e dificuldades circulatórias, é preciso tratá-la. A drenagem linfática é sempre indicada, pois estimula a circulação. Carboxiterapia, radiofrequência e subcision também são opções de tratamentos.