Queda de cabelo no pós-parto
Depois que meu bebê nasceu meus cabelos não param de cair, o que está acontecendo?” Após o nascimento do bebê é bastante comum as mamães sofrerem com a queda de cabelo. Segundo a Dra. Lorena Dourado Alves, dermatologista com Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e Especialista em Tricologia (ciência que estuda o cabelo) pela Faculdade de Medicina do ABC e pela USP, a queda de cabelo no pós-parto ocorre por alterações hormonais que levam um grande número de folículos pilosos a mudarem rapidamente de fase no ciclo capilar, ocasionando o aumento da queda. “É o que chamamos de Eflúvio Telógeno, que pode começar no final da gravidez, mas, frequentemente, inicia-se de dois a cinco meses após o parto, caracterizando-se por intensa queda, que dura cerca de um a cinco meses”, explica.

Publicidade

Embora seja algo que preocupe e incomode muito as mamães, estas devem ficar tranquilas, já que a queda geralmente cessa com reposição total dos cabelos. “O importante é eliminar as causas agravantes como anemias, estresse, infecções ou qualquer outro motivo que leve a uma piora na queda”. Em alguns casos, pode haver uma piora do quadro em mulheres portadoras de Alopécia Androgenética, doença de padrão hereditário em que os cabelos ficam progressivamente mais finos, depois começam a cair e param de nascer naquele local. “Comparada com as não portadoras, elas podem perder mais fios de cabelos, além de sofrer uma reposição incompleta. O parto pode também ser um fator desencadeante do início das manifestações da Alopécia Androgenética em mulheres com esta tendência”, destaca.

Para o diagnóstico da doença, além do exame físico feito por um dermatologista e laboratoriais, há exames complementares, como o tricograma, no qual são avaliadas as raízes dos cabelos, e que determina a porcentagem de fios em processo de queda e de fios afinados; a dermatoscopia, manual ou digital, utilizando o programa TrichoScale® , que de acordo com a Dra Lorena, “faz uma contagem computadorizada dos tipos de fios presentes em determinada área do couro cabeludo e que não substitui, mas complementa o tricograma”; e, em alguns casos, a biópsia.

A novidade tecnológica do tratamento para a queda de cabelo é o laser de baixa intensidade ou também o LED (Multiwaves®), que realiza uma fotobioestimulação dos folículos, trazendo uma recuperação das raízes viáveis e melhorando a qualidade da haste capilar. “De toda forma, o ideal é procurar um dermatologista com Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia para que ele faça uma avaliação clínica e inicie o tratamento adequado para cada caso”, conclui a Dra. Lorena Dourado.
Esse conteúdo foi feito em parceria com

Dra. Lorena Dourado


Conheça mais dele