Dê adeus às varizes
Após a gravidez, muitas mulheres se deparam com uma grande quantidade de varizes de membros inferiores. Algumas já existentes outras que se intensificam com a evolução da gestação. Pernas cansadas, inchadas e sem harmonia estética. O diagnóstico e tratamento cirúrgico da doença é tema desta entrevista com o angiologista e cirurgião vascular Dr. Wladimir Gonçalves. O médico ressalta a necessidade de um diagnóstico correto e tratamento específico para cada caso.

Publicidade

Como é feito o diagnóstico das varizes?

Inicialmente, o paciente deve procurar um especialista. A investigação de fatores familiares e pessoais, bem como a realização de um exame físico minucioso é extremamente importante. Constatada a doença, são realizados os exames complementares.

Quais são os exames complementares?

A fleboscopia é um exame realizado no consultório, indolor e tem como princípio a transiluminação. É feito utilizando-se um aparelho chamado fleboscópio. Ele detecta e mostra a presença de veias nutrizes ou nutridoras de telanfiectasias (vasinhos), resistentes ao tratamento convencional (escleroterapia). O dúplex sean ou ecodoppler colorido ou mapeamento venoso, como é conhecido na maioria das vezes, é amplamente utilizado, oferecendo excelente precisão diagnóstica (cerca de 90% dos casos), mostrando em tempo real o funcionamento dos sistemas venosos profundo e superficial. É um exame indolor, não invasivo e realizado em tempo hábil.

Feito o diagnóstico, quais são os procedimentos cirúrgicos mais realizados nos dias atuais?

Existem as mini cirurgias, que são realizadas em ambiente cirúrgico, sob anestesia local e sedação, com assistência integral do anestesiologista. É indolor e o tempo de internação é reduzido, oferecendo recuperação rápida das atividades à paciente (cerca de 3 a 5 dias). Já o laser é muito utilizado quando há insuficiência das veias safenas, não havendo a necessidade de retirá-las. O tempo de internação é reduzido, com retorno rápido às atividades (cerca de 4 a 7 dias). Na indicação do método, a correta avaliação do especialista é necessária. O tratamento convencional bem-realizado, por mãos habilitadas e equipe cuidadosa, confere, também, excelentes resultados. É um tratamento realizado sob anestesia, não agressivo, com tempo de internação em torno de 24 horas, conferindo recuperação individualizada à paciente (cerca de 10 a 30 dias). Independente da opção cirúrgica indicada, a prevenção e o tratamento clínico devem se iniciar o mais precoce possível, já nas primeiras semanas de gestação. O controle do peso, uso da contenção elástica (meias elásticas de compressão), a realização de atividade física e acompanhamento conjunto do angiologista e cirurgião vascular, a cada trimestre da gestação, são muito importantes, garantindo resultados cirúrgicos mais eficazes após a gestação.

O tratamento precoce das varizes é importante? E por qual motivo elas ocorrem mais na gravidez?

A gravidez por si só não causa varizes, devendo sempre existir a correlação com a predisposição familiar (hereditariedade). No entanto, elas aparecem com maior frequência na gravidez devido à quantidade de sangue circulante, que aumenta e, portanto, aumenta o trabalho das veias. Outro fato que acontece na gestação é que o útero aumenta progressivamente e comprime as veias do abdômen e da região pélvica da mulher, colocando, assim um obstáculo para a subida do sangue das pernas para o coração.

Dicas para evitar as varizes:

• Evitar o ganho excessivo de peso.

• Praticar exercícios diariamente, uma caminhada curta já ajuda, pois ao pisar, o sangue dos pés é bombeado para cima;

• Meias elásticas podem ser desconfortáveis, principalmente no verão, mas são imprescindíveis;

• Evitar o excesso de pressão sobre as pernas;

• Sempre que possível, sentar-se com as pernas elevadas para facilitar a circulação sanguínea;

• No caso das grávidas, é bom saber que a veia cava inferior está localizada no lado direito do corpo, deitar-se do lado esquerdo ajuda a diminuir a pressão sobre ela, melhorando a circulação.