A hora certa da plástica pós-gestação
O abdômen ficou flácido e com o volume aumentado. As mamas já não estão mais tão levantadas quanto antes. Após a gravidez, é inevitável que o corpo da mamãe sofra as consequências de alterações hormonais e fisiológicas comuns ao período e a cirurgia plástica torna-se a alternativa das mulheres que querem retomar e até melhorar a aparência anterior à gestação. Se essa é a sua vontade, é importante estar atenta a todas as orientações sobre o momento certo de se submeter a um procedimento plástico depois de se tornar mãe. O cirurgião plástico, especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Dr. Carlos Bautzer divide com o Manual da Mamãe, as principais dúvidas sobre o assunto que chegam ao seu consultório. Confira:

Publicidade

Quanto tempo após o parto a mulher pode fazer uma plástica?

Depende, pois a indicação da cirurgia está ligada ao término da amamentação e também à recuperação pós-parto. Por exemplo, se seguirmos o que está preconizado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) a amamentação exclusiva deve ir até os seis meses de vida da criança. Depois de finalizado esse período, a mulher deve esperar entre três e seis meses para que o seu organismo se adapte. Então, levaria cerca de um ano para ela realizar uma plástica. No caso do parto em que a mãe não amamente, é preciso esperar pelo menos seis meses.

Quais são as principais mudanças que ocorrem no corpo da gestante?

Esteticamente as principais mudanças ocorrem na região abdominal, seguida pelas mamas. Devido ao crescimento uterino, a musculatura do abdômen sofre um estiramento, fazendo com que, em alguns casos, o reto abdominal possa apresentar o que chamamos de diástase, uma separação entre certos músculos abdominais. Por isso, após a gravidez muita pacientes apresentam um grande volume no abdômen. Além disso, temos também o mesmo estiramento da pele que, dependendo da idade, hidratação e cuidado com o peso, podem ocasionar estrias na pele.

Então, essas são potenciais pacientes para a cirurgia plástica?

Sim. Nos casos citados acima, a abdominoplastia conseguiria tratar essa musculatura e retirar uma quantidade de pele para redução do volume abdominal. Para isso, é imprescindível que a paciente realize uma consulta com um cirurgião plástico, que irá lhe explicar os detalhes da cirurgia, posição da cicatriz, seus prós e contras, entre outros aspectos.

E no caso das mamas, o que acontece?

Geralmente, na gravidez, as mamas aumentam de volume devido à ação de um hormônio chamado prolactina, lógico que proporcionalmente ao corpo de cada mulher. Caso esse aumento tenha sido muito grande pode ocorrer um estiramento da pele, provocando estrias, que alteram drasticamente a sustentação das mamas.

A colocação de próteses de mamas resolveria esses casos?

Bom, a colocação de próteses de mama ajudaria em casos em que apenas a flacidez estivesse mais evidente e não ocorresse a queda da posição das aréolas. Mas se isso ocorre, a cirurgia de mama, chamada de mamoplastia, consegue corrigir a flacidez das mamas e elevar o complexo aréolo mamilar para posição correta. A posição das aréolas e mamilos das mamas é tão importante quanto o volume das mesmas. Do que adianta uma mama de volume perfeito apontando para baixo?

E se eu estiver pensando em outra gestação, devo me submeter a uma cirurgia plástica?

O ideal é que a mulher que estiver pensando em ter mais filhos não realize uma plástica ainda, para não comprometer o resultado. Mas se isso ocorrer, não há uma contraindicação absoluta e sim relativa devido ao resultado estético já que o fechamento muscular é feito de forma funcional, o que permitiria o mesmo estiramento para o crescimento uterino, não causando danos à criança.

O fato de eu já ter feito uma mamoplastia pode alterar a amamentação em caso de nova gestação?

Vai depender da técnica utilizada para a mamoplastia. O leite é produzido no tecido mamário, então, caso a paciente tenha realizado uma cirurgia com grande retirada desse material fica claro que as chances de produção vão ficar mais reduzidas. Outro fator a ser considerado é a técnica utilizada no complexo aréolo mamilar. Em casos de gigantomastia (seios muito grandes), em que enxertamos essa região, a amamentação vai ser prejudicada. Converse com seu cirurgião plástico, pois cada caso tem suas particularidades.

E no caso da colocação de próteses de silicone nas mamas como fica a amamentação?

Nesse caso, a amamentação não deve ser prejudicada, pois a colocação das próteses poderá ser feita abaixo das mamas ou abaixo do músculo peitoral, o que não afetaria a região que produz o leite, portanto não há uma contraindicação para a colocação das próteses antes da gestação