Criança fica cega após contrair gripe nos Estados Unidos
Pareciam apenas sintomas de uma simples gripe, mas a doença acabou deixando uma criança de 4 anos cega. Jade DeLucia, de Iowa, nos Estados Unidos, teve febre baixa, foi medicada com antitérmico e estava bem. Corria e brincava normalmente com a irmã mais velha Catalina. "Não havia nenhum sinal que me dissesse que algo estava seriamente errado com ela", disse a mãe, Amanda Philips.

Publicidade

Quatro dias depois dos primeiros sintomas, em 23 de dezembro, enquanto a mãe trabalhava o pai de Jade, Stephen DeLucia, colocou a menina na cama. Na manhã seguinte, a família estava pronta para passar a véspera de Natal com os pais de Amanda, mas Jade ainda não tinha acordado.

Quando o pai foi procurá-la, ela estava deitada na cama, sem responder. E seu corpo estava ardendo em febre. "Entramos em pânico e corremos para o hospital”, conta Amanda.

Quando eles chegaram ao Covenant Medical Center, o corpo de Jade começou a tremer incontrolavelmente, e seus olhos rolaram para a parte de trás da cabeça. Ela estava tendo uma convulsão. Foi preciso transferi-la às pressas de helicóptero para um hospital maior.

No dia de Natal, eles descobriram que a gripe havia afetado o cérebro da pequena. Trata-se de um acometimento do sistema nervoso conhecido como encefalopatia.

Os médicos mostraram aos pais de Jade os resultados da ressonância magnética. "Eles disseram que ela teve um dano cerebral significativo e que poderia não sobreviver. Caso isso acontecesse, ela teria sequelas”, conta Amanda.

Nos dias seguintes, Jade permaneceu quase completamente sem resposta. No dia 31 de dezembro, eles receberam o diagnóstico: encefalopatia necrotizante aguda, um tipo de encefalopatia geralmente causada por uma infecção viral.

Os médicos receitaram esteróides para acalmar o inchaço em seu cérebro. E, finalmente, no dia 1º de janeiro, os pais de Jade receberam boas notícias. O que parecia tão improvável aconteceu: Jade acordou.

"Ela abriu os olhos. Está olhando em volta. Apertamos suas mãos! E depois sorrimos!" ela disse. Nos dias seguintes, Jade foi ficando cada vez melhor. O tubo de respiração foi retirado. Ela poderia se sentar e comer. Pediu seu pudim de chocolate favorito.

No entanto, no dia 5 de janeiro, sua mãe percebeu que Jade não estava enxergando. Ela colocou o unicórnio branco, seu bicho de pelúcia favorito na frente do rosto, e Jade não olhou para ele. O mesmo aconteceu quando ela jogou uma bolinha. Jade não a assistiu enquanto subia no ar.

Um oftalmologista entrou e examinou os olhos de Jade. Tudo parecia bem. O problema não estava nos olhos dela. Foi com seu cérebro, que havia sofrido por causa da gripe. "Isso afetou a parte do cérebro que percebe a visão, e não sabemos se ela recuperará a visão", disse Czech, neurologista de Jade. "Daqui a três a seis meses, saberemos. Qualquer que seja a recuperação que ela tenha aos seis meses, isso é provavelmente tudo o que ela obterá”.

Jade voltou para casa em 9 de janeiro. Uma das primeiras coisas que fez foi tocar o rosto da irmã, depois a puxou para perto e chorou.

O recado dos pais de Jade é forte: “Por favor, vacinem os seus filhos todos os anos. Se eu puder impedir que uma criança fique doente, é isso que eu quero fazer. É terrível ver seu filho sofrer assim”.