Você sabe o que observar na hora de escolher a papinha para seu bebê?
A grande oferta de alimentos para bebês no mercado levanta uma grande e importante questão: será que podemos confiar em tudo o que está sendo oferecido? As mamães e papais sabem que devem olhar a consistência, sabor, ingredientes, composição nutricional, mas talvez desconheçam que um alimento seguro deve também ser aprovado pelos órgãos competentes destinados a isso.

Publicidade

O registro é um número que a ANVISA concede para cada produto dizendo que ele pode ser consumido por aquela faixa etária com segurança, qualidade nutricional e sanitária. Segundo a nutricionista do Empório da Papinha Dra. Gislaine Donelli dos Santos, para saber se a papinha oferecida à criança tem registro, nos rótulos de todas as papinhas, logo após as informações da empresa deve aparecer o número da seguinte forma: MS nº . No entanto, esse número só é obrigatório para as papinhas e/ou sobremesas destinadas a crianças menores de 12 meses.

É importante que os pais se atentem a essa questão. Segundo a Dra. Gislaine, quando uma empresa tem o número de registro dos produtos que oferece, é seguro dizer que ela passou por visita técnica e sanitária e, se necessário, houve adequações nas receitas e rótulos, ou seja, é uma empresa legalmente capacitada para oferecer aquele tipo de alimento.

Nos tempos atuais, com a correria do trabalho e do dia a dia, as mães estão cada vez mais antenadas e preocupadas com a alimentação de seus bebês. “Hoje, elas preferem aproveitar o tempo ‘livre’ com a família e acompanhar mais de perto o crescimento e desenvolvimento do ?lho, deixando, então, uma empresa responsável por sua alimentação. Para fazer a escolha certa é fundamental observar a qualidade, praticidade e segurança alimentar, informa.

O Empório da Papinha é uma empresa especializada em papinhas e comidinhas orgânicas para bebês e crianças. “Nós sempre nos preocupamos em oferecer a melhor alimentação saudável, nutritiva e equilibrada com gostinho de comidinha caseira feito com todo carinho de mãe”, completa a Dra. Gislaine.