Otite, dor de garganta e nariz escorrendo são os principais culpados por fazerem os pais levarem seus filhos ao médico.Devido à imaturidade imunológica, esses problemas são comuns em bebês, mas quase todos podem ser facilmente cuidados por um otorrinolaringologista, que vai determinar o tratamento adequado, de acordo com a causa da doença, seja alérgica, infecciosa ou decorrente de algum problema congênito.

Publicidade

Especialista na área, a Dra. Ângela Suemi Shimuta, compartilha com o Manual da Mamãe as principais dúvidas nesse sentido, que chegam ao seu consultório. Confira:

 

A audição de uma criança pode ficar comprometida com repetidos episódios de otite?

Sim, as otites provocadas pelas bactérias ou vírus podem lesar estruturas do ouvido interno e causar perdas auditivas importantes, ou a presença do catarro dentro do ouvido médio pode levar à perda auditiva condutiva. Por isso, o diagnóstico e o tratamento precoces são fundamentais para evitar as sequelas das otites.

Bebês com dificuldade em mamar no seio da mãe podem apresentar algum problema que possa ser diagnosticado por um otorrinolaringologista?

Sim, ele pode identificar um problema no freio lingual do bebê. Este, por ser curto, não permite a livre movimentação da língua e pode dificultar as mamadas e a fala. O tratamento é uma pequena cirurgia chamada de frenulectomia e recomenda-se realizá-la o quanto antes no bebê.

É recomendável que as crianças retirem as amígdalas?

A cirurgia de amigdalectomia em crianças é indicada em casos selecionados. Por exemplo, quando o tamanho das amígdalas causar uma obstrução das vias aéreas superiores, podendo levar até a apneia do sono na criança e problemas cardíacos; na suspeita de neoplasia ou por causa de infecções repetidas de amigdalites, que comprometem a saúde da criança como um todo.

Como suspeitar que crianças possam estar com algum corpo estranho no nariz e/ou ouvido? O que fazer nesses casos?

No caso de corpo estranho no nariz, a criança pode apresentar uma secreção nasal de odor fétido e unilateral. No ouvido, ela pode se queixar de diminuição da audição e/ou dor de ouvido. Uma vez que exista essa suspeita, recomenda-se procurar rapidamente um otorrinolaringologista para a retirada do corpo estranho.

Como identificar se a criança respira pela boca? Que problemas isso pode trazer para ela?

A criança respiradora bucal pode apresentar roncos à noite, babar no travesseiro e ter lábios ressecados. Isso pode gerar uma má qualidade de sono, uma agitação ou sonolência durante o dia e baixo rendimento escolar ou déficit de atenção.

Como diferenciar gripe x resfriado? Esses episódios também podem ser confundidos com rinite? Explique as diferenças.

O resfriado é causado pelo vírus rinovirus e apresenta sintomas mais leves ao paciente, como obstrução nasal, irritação na garganta e febre baixa. Enquanto que na gripe o causador é o vírus influenza, que é mais agressivo ao corpo, podendo provocar dores acentuadas, febre alta, congestão nasal e problemas respiratórios mais significativos, como as pneumonias.

Nesse caso, tanto as crianças quanto os idosos apresentam maior risco de saúde e com maior índice de hospitalização. Recomenda-se a prevenção deste tipo de vírus anualmente, por meio da vacinação nas campanhas de inverno.

Por sua vez, a rinite alérgica inicia-se logo após o contato do paciente com um agente agressor, por exemplo, o pó doméstico. Há sintomas de coceira nasal, coriza, congestão e até prurido ocular. A rinite precisa ser diagnosticada e controlada, pois a criança respiradora bucal tem maiores chances de desenvolver infecções, como amigdalites, otites e sinusites; apneia do sono; fadiga; déficit de atenção e baixo rendimento escolar.

Bebês e crianças podem ter sinusite? Como identificar?

A sinusite pode ocorrer em qualquer faixa etária. Ela é uma inflamação do tecido que reveste os ossos dos seios da face e ocorre quando este é infectado por vírus, bactérias ou fungos. Deve-se suspeitar após um quadro de resfriado que se prolonga por mais de uma semana.

Os sintomas mais comuns são: sensação de pressão na face, aumento da congestão nasal, catarro amarelo-esverdeado, dor nos seios da face e até mesmo dor nos dentes superiores. O tratamento baseia-se em antibióticos e descongestionantes orais ou nasais e inalações, que promovem a eliminação do catarro.