Preocupações comuns com o recém-nascido

Um mundo totalmente novo. É assim que a mamãe se sente nos primeiros dias do recém-nascido em casa. Dúvidas e questionamentos envolvendo a saúde e o bem-estar do bebê surgem aos montes, mas é importante ter calma e não fazer de eventos naturais do desenvolvimento motivos para tanta preocupação. Com a ajuda do pediatra Dr. Márcio Wanderley de Carvalho, listamos as preocupações mais comuns das mamães com os recém-nascidos, bem como as indicações de como agir. Confira:

Publicidade

Uma das principais preocupações das mamães é em relação às cólicas comuns nos recém-nascidos. Por que elas ocorrem? Há alguma forma de evitá-las?

Ainda há muitos pontos obscuros sobre esse assunto. Não existe, por exemplo, uma causa exata. As cólicas são atribuídas à associação de alguns fatores, entre eles a imaturidade dos sistemas gastrointestinal e nervoso central, que entre outras funções, controla as contrações do intestino. Como o processo de formação e funcionamento desses mecanismos ainda não está completo, ocorrem movimentos intestinais descoordenados que acabam provocando as dores. Passados três meses, esses sistemas adquirem maturidade e geralmente as cólicas deixam de fazer parte da rotina da família. Algumas medidas podem evitar o aparecimento das cólicas como massagens circulares em abdômen, flexão e extensão das pernas. Não há medicamentos eficazes para evitar as cólicas.

Como identificar que o bebê está com cólica e como proceder quando ela chega?

Primeiramente descartar algumas causas de choro como: o bebê está com fome? A fralda está molhada? Está com calor? Com frio? Se essas possibilidades foram descartadas e o choro continua, é grande a probabilidade de ser cólica. Além disso, há algumas características específicas: o bebê se contorce, o rosto fica vermelho e com expressão de dor, as mãos se fecham e o choro estridente parece inconsolável. Em muitos casos, as crises ocorrem três vezes por semana, e no dia que o bebê tem cólica geralmente a apresenta três vezes ao dia, com duração média de três horas cada cólica.

A higiene do umbigo, até que ele caia, é outra preocupação comum. Como deve ser curado?

O umbigo deve ser lavado durante os banhos normalmente. Geralmente, os pais têm receio de tocar no umbigo por acharem que vão provocar dor, o que não acontece. O curativo deve ser feito com álcool 70%, mais ou menos três vezes ao dia, de preferência com gaze. Evite usar algodão ou cotonetes. Não há necessidade do uso de faixas, tampouco enrolar o umbigo com gaze úmida ou seca.

Recém-nascido com febre. As mães devem se preocupar?

A febre no recém-nascido é motivo de preocupação, pois algumas infecções no período neonatal podem evoluir com septicemia, que é uma situação com elevado risco de morte para a criança e com necessidade urgente de internação em unidade de terapia intensiva. Lembrando que considera-se febre a temperatura retal igual ou superior a 38°C ou axilar acima de 37,3°C. Logo, é importante nos casos de febre procurar atendimento pediátrico.

Como diferenciar regurgitação de vômito?

Os episódios de regurgitações são muito comuns nos recém-nascidos lactentes abaixo de seis meses, pois neste período o trânsito gastrointestinal lento e a incompetência do cárdia (espécie de válvula que impede o retorno dos alimentos ingeridos do estômago para o esôfago) são os principais fatores causais. Geralmente, ocorrem sem sintomas, sem a atuação da musculatura, não causa o esvaziamento completo do estômago e muitas vezes por ingestão além da capacidade gástrica ou por aumento de pressão abdominal. Já os vômitos provocam o esvaziamento completo do estômago por meio de atividade reflexa que envolve músculos e geram sintomas como náuseas, sudorese, palidez e tonturas.

Ainda nessa temática, como saber se meu bebê tem refluxo?

A Doença do Refluxo Gastroesofágico manifesta-se não somente com aumento de vômitos e/ou regurgitações, mas com vários outros sinais e sintomas, como irritabilidade, dificuldade para mamar, dificuldade para dormir, comprometimento de vias aéreas superiores (aumento de secreção nasal), otites de repetição, tosse crônica, crises repetitivas de bronquite e comprometimento do desenvolvimento pôndero-estatural. Logo, recém-nascidos e lactentes que apresentam alguns dos sinais ou sintomas supracitados merecem a avaliação de um gastropediatra.

Por que meu recém-nascido soluça tanto?

Não é raro os recém-nascidos apresentarem soluços mais de uma vez ao dia. As causas ainda são desconhecidas, pois envolvem vias neurológicas, como o nervo frênico, que controla o diafragma e o nervo vago, que atua nas funções digestivas. Mas sabe-se que a irritação ou estimulação, principalmente do diafragma, em eventos que distendem o estômago, como ingestão aumentada de leite, por exemplo, são causas dos soluços episódicos como ocorrem com recém-nascidos e lactentes jovens. Na maioria das vezes são inofensivos e desaparecem espontaneamente em minutos.

É comum que bebês tenham acne facial? Por que isso acontece?

A acne não é exclusividade de adolescentes, mas pode ocorrer em recém-nascidos e lactentes jovens que tenham predisposição genética, acometendo principalmente os meninos. São provocadas por hormônios maternos oriundos da gestação que passam para os bebês, e que podem perdurar até o sexto mês de vida. Em alguns casos há a necessidade do uso de formulações medicamentosas específicas para a pele do bebê.