Infecções que a mamãe pode passar para o bebê na gestação. Saiba como prevenir!
Atenção mamães! Muitas infecções maternas agudas podem ser transmitidas para o feto. Estas são chamadas de infecções congênitas e trazem riscos variáveis de problemas para o bebê. “A mulher deve fazer uma consulta com sua obstetra para exames diagnósticos precoces antes de engravidar”, afirma a oftalmologista, especialista em córnea pela UFG, Dra. Magda Moulin Lima Rezende de Castro. Confira abaixo as infecções congênitas mais comuns que podem comprometer a visão do bebê:

Publicidade

 

Rubéola

A rubéola congênita resulta da transmissão transplacentária do vírus da mãe infectada no primeiro trimestre da gestação para o feto. A rubéola está associada à catarata congênita em 15% dos casos, que pode ser uni ou bilateral. O tratamento consiste em cirurgia para retirar a catarata já no primeiro mês de vida do bebê, evitando, assim, o comprometimento visual. Podem ocorrer outras manifestações oculares, como microftalmia, glaucoma e altas ametropias.

 

Toxoplasmose

A toxoplasmose é causada pelo protozoário toxoplasma gondii (o gato é o principal hospedeiro), e passa para o feto através da placenta da grávida infectada. Quando ocorre no início da gestação, a toxoplasmose pode levar até ao óbito fetal. Já quando acontece no final da gravidez pode resultar em convulsões, paralisia e hidrocefalia. As lesões oculares ocorrem quando a infecção se dá no final do segundo trimestre, resultando em cicatrizes maculares extensas, comprometendo severamente a visão.

 

Sífilis

A infecção adquirida por via transplacentária pode resultar em morte neonatal, surdez, malformação dos dentes, fissura labial e retardo no desenvolvimento. Já as complicações oculares mais frequentes são: uveíte anterior, neurite óptica e retinopatia que podem levar à perda visual.

 

CMV (citomegalovirus)

O vírus CMV pertence ao mesmo grupo do vírus da herpes. Aproximadamente 10% das crianças infectadas intraútero, terão lesão retiniana de coriorretinite, podendo acarretar severa perda visual. Pode haver também microcefalia, convulsões e deficiência auditiva.