Descubra se seu filho está se desenvolvendo como o esperado para cada fase
O desenvolvimento da criança nos primeiros dois anos de vida é extremamente rápido e até os cinco anos o cérebro dela praticamente atingiu seu completo desenvolvimento. Para que você entenda o que é comum ocorrer em cada fase, a pediatra Dra. Elizabeth Fernandes Siqueira listou de maneira didática o desenvolvimento neuro-psico-motor da criança, que ela avalia a cada consulta de puericultura. Confira:

Publicidade

0 a 28 dias: a criança nos primeiros dias tem reflexos primitivos e de sobrevivência. Alguns desses reflexos desaparecem em torno de dois meses de vida, outros permanecem até o sexto ou oitavo mês, passando de reflexos involuntários a voluntários. Alguns exemplos são o reflexo de sucção, preensão palmar e plantar, e reflexo de marcha.

1 a 2 meses: no primeiro mês de vida o bebê sustenta a cabeça ao ser puxado para a posição sentada, mas quando colocado de bruços vira a cabeça. Identifica o rosto humano e fixa o olhar por alguns instantes. Aos dois meses o sorriso aparece em resposta ao contato visual com rosto humano. Consegue sustentar a cabeça por alguns instantes e já é capaz de acompanhar objetos em movimentos de 180 graus. Nessa fase brinquedos coloridos estimulam a curiosidade e o interesse da criança.

3 a 4 meses: o bebê consegue juntar as mãos, ao ver objetos estende os braços, mas ainda não é capaz de pegá-los aos 3 meses. Aos 4 meses consegue segurá-los e levá-los à boca. Quando puxado para a posição sentada a cabeça acompanha o tronco. Nessa idade, a criança vira a cabeça em direção a sons próximos a ela, ri alto, e “descobre” as próprias mãos. Brinquedos que emitem sons chamam bastante a atenção e objetos com texturas e cores auxiliam muito a estimular os sentidos.

5 a 7 meses: a criança tem maior controle do corpo como um todo, consegue rolar, permanece sentada por alguns instantes sem apoio, é capaz de pegar objetos grandes e transfere objetos menores de uma mão para a outra. Em geral gosta muito de bater nas superfícies com as mãos ou com objetos. Estimular o bebê a repetir sequências de batidas ajuda bastante seu desenvolvimento nessa fase. Brinquedos que emitam sons ao serem tocados também são interessantes. Aos 7 meses a criança começa a balbuciar sons, tentando imitar a fala. A criança prefere a mãe, podendo estranhar outras pessoas.

8 a 10 meses: a criança começa a ter certa “autonomia”. Fica sentada sem apoio e gira o tronco para apanhar objetos sem “tombar”, engatinha, levanta apoiando-se em móveis, e caminha agarrada em sofás, cadeiras ou qualquer móvel que possibilite apoio. Brincadeiras do tipo “cadê a mamãe” já são possíveis nessa idade, descobre objetos escondidos e quando chamada reconhece o próprio nome. Bate palmas e inicia os sons repetitivos tipo “tata”, “mamã”, “papá”.

11 a 12 meses: é praticamente impossível ficar com uma criança dessa idade no colo, elas querem mesmo é explorar o mundo “com as próprias pernas”, mesmo que seja segurando na mão de um adulto. Habilidades mais delicadas como virar páginas de um livro e “pinçar” objetos com os dedos polegar e indicador são adquiridas nessa fase.

1 ano: por volta de 15 meses anda sem ajuda, a criança fala algumas palavras com significado, é capaz de apontar objetos e seguir comandos simples. Abraça os pais e dá beijo. Até os 18 meses “corre” de forma rígida, e é capaz de empilhar cubos, comer sozinha e identificar partes do corpo. Crianças que nessa idade já conseguem se comunicar e avisar quando estão sujas têm muito potencial para iniciar o desfralde. Nessa idade a criança já é capaz de buscar por ajuda quando encontra-se em apuros.

2 anos: essa é a idade da imitação. Atividades como varrer, fazer dobraduras e copiar desenhos auxiliam o desenvolvimento motor da criança. Ela já é capaz de formar frases e usar o pronome “eu”. Brinca de faz de conta. Sua habilidade de escalar móveis, subir escadas e correr pode ser um risco se a criança não tiver limites bem definidos.

3 a 4 anos: a criança fala seu nome, idade e sexo. As brincadeiras deixam de ser individuais e passam a ser em conjunto, e ela já consegue ter uma interação social. As habilidades motoras já permitem que a criança ande de triciclo, consiga pular em um pé só, seja capaz de contar histórias, fazer desenhos (como círculo e quadrado), e ao final dos 4 anos já tem coordenação para recortar com tesoura, se vestir, ir ao banheiro e lavar as mãos.

5 anos: essa é a famosa idade dos porquês. A criança já é capaz de contar números em sequência, identificar cores, repetir frases. Consegue vestir-se e despir-se sozinha. Distingue realidade e fantasia. É importante estimular a curiosidade e o interesse pelo aprendizado.