Conheça as causas mais comuns e como baixar a febre no bebê
A criança tem as faces rosadas, está incomodada e mais irritável do que o habitual. Ao simples toque, percebe-se que a temperatura está elevada. Sabemos que é preocupante e até mesmo desesperador para os pais constatar que o filho está com febre. No entanto, ela é mais benigna do que se imagina, pois é essa elevação de temperatura que vai permitir ao corpo combater a infecção que a está provocando. É esta elevação que vai permitir ao corpo combater a infecção, mas que pode ser perigosa se ultrapassar os 40º C.De acordo com o infectopediatra Dr. Victor Horácio de Souza Costa Junior, na consulta ao termômetro, a temperatura é considerada normal até aos 37,5º C quando medida na axila. “As preocupações devem começar quando a temperatura se eleva um grau”, alerta.Segundo ele, é preciso, então, manter a temperatura sob controle, ao mesmo tempo em que se tenta descobrir aquilo que a provoca. Para baixar a febre, é preciso atuar de forma diferente para cada criança. “Num bebê com menos de dois meses, por exemplo, diante de qualquer alteração, ele deve ser levado ao hospital, para ser avaliado por um pediatra”, orienta o Dr. Victor Horácio.

Publicidade

Ele explica ainda que, a partir dessa idade, se a temperatura for inferior a 38º C, não é necessário fazê-la baixar. Sendo superior, pode ministrar-lhe paracetamol, ajustando a dose ao peso e idade da criança. “Nunca dê aspirina, nem sequer a infantil.” Se após 20 minutos a febre não baixar um pouco, a orientação do especialista é cobrir o fundo de uma banheira com um palmo de água a 37-38º C e com uma esponja molhar o corpo da criança durante 10 a 15 minutos, para que, ao evaporar-se, possa diminuir a temperatura da criança.

“Se a temperatura for maior que 40º C, recorra de imediato à banheira, mas não deixe de consultar o pediatra nas 24 horas seguintes”, aconselha. Quando a febre é superior a 40º C, em alguns casos, a criança pode apresentar convulsões febris, em que perdem os sentidos e o corpo sofre sacudidelas semelhantes às de um ataque epiléptico. Quando isso acontece, o indicado é umedecer o rosto da criança com uma esponja e consultar o pediatra em seguida.

Outro conselho importante relacionado aos cuidados com a febre é que não se deve agasalhar a criança febril. “Pelo contrário, retire-lhe o máximo de roupa e deite-a em um ambiente fresco, assim como não a force a comer, porque isso pode provocar vômitos, mas ofereça-lhe água com muita frequência”, acrescenta o médico.