Como detectar o estrabismo na infância
Desviar os olhos ora para dentro, ora para fora. Até os 3 meses de idade, é normal que isso aconteça sem que signifique doença. Após esse período, quando o reflexo de fixação se desenvolve, qualquer desvio é patológico e deve ser avaliado por um especialista precocemente para indicação do tratamento adequado.

Publicidade

Uma causa importante da doença em bebês é o estrabismo congênito, apontam as oftalmopediatras Dra. Luisa Hopker, Dra. Dayane Issaho e Dra. Aline Rodrigues. “Este desvio convergente (olhos para dentro) aparece ao redor dos 6 meses de idade e é causado por uma alteração do controle neuromuscular ocular. O tratamento é realizado através de cirurgia idealmente até os 15 meses de idade”, explicam.

Elas alertam ainda que doenças que comprometem o eixo visual, como catarata congênita, tumores ou inflamações intraoculares, má-formações e cicatrizes retinianas podem causar estrabismo devido à privação de estímulo visual. “Nesses casos, o diagnóstico precoce é fundamental e o tratamento da patologia principal e do estrabismo associados ao estímulo visual são muito importantes para garantir o máximo de função visual para a criança.”

Ainda, uma causa muito comum de estrabismo na infância, principalmente ao redor dos 2-3 anos são os erros refrativos (grau com necessidade de uso de óculos). Nesses casos, quase sempre o uso de óculos é suficiente para tratar o desvio.

Existem ainda os estrabismos falsos, também chamados de pseudoestrabismos. Os olhos parecem estar desviando, mas na verdade eles estão alinhados. Isso é muito comum em bebês e é mais evidente quando a criança olha para os lados ou para perto, pois a prega de pele nasal esconde a parte branca dos olhos.

“Conforme a criança cresce, as estruturas faciais se tornam mais desenvolvidas e a aparência de olho desviado melhora. Para diferenciar o falso estrabismo do verdadeiro o oftalmologista realiza um teste que avalia se o reflexo luminoso na pupila está centrado. Este reflexo também pode ser avaliado em fotos tiradas com flash quando a criança está olhando para frente”, esclarecem as oftalmopediatras.

 

É muito importante realizar um exame oftalmológico ao longo do primeiro ano de vida da criança com a pupila dilatada para avaliar as estruturas oculares e detectar se há estrabismo ou não. O desvio ocular em crianças pequenas pode afetar seriamente o desenvolvimento da visão e deve ser tratado o mais cedo possível.