A importância do Teste do Olhinho
Logo que o bebê nasce são realizados vários exames, as triagens neonatais que podem prevenir doenças e descobrir alterações o mais cedo possível, para evitar sequelas mais graves e permitir que a criança se desenvolva integralmente. O Teste do Olhinho é um deles. O exame possibilita a detecção precoce de problemas visuais e com os tratamentos pertinentes se torna possível garantir a integridade e o desenvolvimento da visão (que ocorre nos primeiros anos de vida).

Publicidade
De acordo com a médica oftalmologista da Laramara - Associação Brasileira de Assistência à Pessoa com Deficiência Visual - Dra. Maria Aparecida Onuki Haddad, logo que o bebê nasce, portanto, é preciso submetê-lo ao Teste do Reflexo Vermelho, também conhecido como “Teste do Olhinho”, um exame simples, baseado na observação de um reflexo vermelho, que é obtido com a incidência de um feixe de luz sobre a retina.

Segundo ela, as estruturas oculares, por meio das quais a luz passa (córnea, câmara anterior, íris, pupila, cristalino, humor vítreo), devem estar livres ou transparentes para permitir que a retina seja alcançada pelo feixe de luz que será refletido ao observador (na forma do reflexo vermelho). “Quando alterações na transparência dessas estruturas oculares e na estrutura da retina estiverem presentes, o reflexo luminoso observado poderá estar alterado quanto à coloração, homogeneidade e simetria entre os olhos, e exames oftalmológicos devem ser realizados para o diagnóstico do problema ocular.”

O Teste do Olhinho, como um procedimento de triagem, pode promover a detecção de doenças que levam à redução na transparência de estruturas do globo ocular, como nas afecções congênitas de córnea, catarata congênita, glaucoma congênito, hemorragias intraoculares e tumores intraoculares. “Todos os recém-nascidos devem ser submetidos ao exame antes de sua alta hospitalar”, alerta. Nos casos de bebês prematuros, além do Teste do Reflexo Vermelho, deve ser realizada a avaliação oftalmológica (mapeamento de retina) entre a quarta e sexta semanas de vida, para detecção da Retinopatia da Prematuridade (que não pode ser perceptível logo após o nascimento).

Como se faz

O teste é um procedimento simples, barato, rápido e indolor. Emprega-se um aparelho simples, denominado oftalmoscópio, para a emissão do feixe de luz. Num ambiente escurecido, um auxiliar do examinador segura levemente a cabeça do bebê, enquanto o examinador incide o feixe de luz do oftalmoscópio sobre os olhos, a uma distância de 30 cm, para obtenção do reflexo de luz incidente sobre a retina (reflexo vermelho).