A importância do acompanhamento odontológico na infância
Para as crianças de hoje ir ao dentista é, literalmente, uma festa. Os odontopediatras se adaptaram para receber a clientela dente-de-leite. Por isso, não se surpreenda se você ouvir um “oba” quando diz a ele que é dia de ir ao dentista. No consultório da Dra. Liliana Temporão, por exemplo, a diversão começa na sala de espera, com brinquedos, livros e até joguinhos de computador para os maiores.

Publicidade

“Quando convido a criança a entrar, peço para que escolha um super-herói ou uma princesa para a acompanhar nessa aventura contra as cáries. E, assim, o pequeno mergulha neste ambiente, entendendo que está ali para cuidar da saúde, participando de cada etapa de uma forma supergostosa e animada”, conta.

Portanto, é prevenindo que se reduz a dor e, consequentemente, o medo. Surgiu o primeiro dentinho? Esse é um bom momento para levar o filho ao dentista pela primeira vez (ou até antes! Há mães que vão desde a gestação!). Deixar a consulta para mais tarde pode provocar outro problema: na primeira vez em que for, ele pode já estar com algum problema instalado.

E lembre-se, não influencie seu filho negativamente. Muitas vezes, a família não percebe como frases sutis podem afetar negativamente os pequeninos. Quer um exemplo? “Filho, viu como não doeu?”. Sabe qual é o recado que ficou para o filhote? “Poderia ter doído, tem algo que pode me machucar”. Quer conhecer melhor como seu filho será tratado no odontopediatra? Confira a entrevista completa com a Dra. Liliana:

Como será a primeira consulta ao dentista?

Nesta primeira consulta, após perguntas sobre a saúde geral da criança, faz-se uma detalhada conversa com os responsáveis para que se conheça o risco que a criança tem em desenvolver problemas bucais.

E na hora de a criança sentar na cadeira?

É feita a apresentação do meio odontológico da forma mais acolhedora possível, sempre com explicação de acordo com a faixa etária do paciente.

E os bebês?

Para os bebês, temos uma cadeirinha especial, sempre com a mãe bem pertinho para receber as orientações e passar segurança para o bebê. As crianças a partir de 2 anos e meio (dependendo da maturidade) já sentam na cadeira odontológica e, entre historinhas e diversões, permitem que se execute os procedimentos tranquilamente.

O que será avaliado durante a consulta?

Neste exame clínico, registraremos a situação atual de desenvolvimento da boquinha e procura-se qualquer anormalidade em dentes e gengivas e nas funções relacionadas à face, como sucção, respiração, degluticação, mastigação, fala etc.

Em que idade aparecem os primeiros dentes e quando se completam as dentições?

Em média, a erupção na primeira dentição tem início entre seis e oito meses de idade. Entre os 2 anos e meio e 3 anos, os 20 dentes temporários já estarão presentes na cavidade oral. A dentição permanente – ou definitiva – inicia-se entre os 5 e os 7 anos e poderá constituir-se de 32 dentes (caso erupcionem os terceiros molares – o que nem sempre ocorre). A erupção mais precoce ou mais tardia não está necessariamente relacionada com patologia, no entanto, caso a criança não apresente qualquer dente após completar um ano e meio de vida, deverá ser avaliada pelo odontopediatra.

Como as mamães podem prevenir as primeiras cáries do bebê?

Formar uma rotina de alimentação saudável, sem alimentos açucarados e, claro, uma rotina de higiene bucal correta.

Como estimular a criança a fazer da escovação uma rotina?

Ensinar as crianças como escovar os dentes exige paciência e muita criatividade, mas por mais trabalhosa que a tarefa se revele, você precisa insistir nela. A partir dos 2 anos, são criados os costumes que irão perdurar por toda a vida. Os pais não podem se deixar vencer por uma birra ou uma crise de choro. Até porque, com um pouco de insistência, a dificuldade vai acabar se transformando em motivo de festa e todo mundo vai se divertir na hora de ir para a pia em frente ao espelho, afinal, a escovação pode ser transformada num momento família! Vale a criança escovar os dentes dos pais e vice-versa, o importante é demonstrar prazer pela escovação. Nesta hora, os pais devem aproveitar para checar se a criança já está escovando os dentes de forma correta e fazer correções quanto à força e sentido dos movimentos da escova.

Qual é o melhor método para os pais escovarem os dentes dos pequenos?

Em um ambiente seguro, podendo usar um banquinho para que a criança alcance a pia, com um dos pais próximo, oriento a trabalhar com duas escovas, uma para a criança e uma para o responsável. Quando a criança estiver aceitando bem essa rotina, melhorar a qualidade da escovação. Os movimentos devem ser sempre no sentido gengiva/dente, passando a escova em todos os lados dos dentes, inclusive na parte de dentro.

A partir de qual idade a criança pode começar a usar pasta dental com flúor?

Assim que aparecer o primeiro dente. E a concentração de flúor na pasta deve ser de 1100ppm. O protocolo da Associação Brasileira de Odontopediatria e da Academia Americana de Odontopediatria é: 0 a 2 anos: meio grão de arroz cru, duas vezes ao dia; 2 a 4 anos: um grão de arroz cru, duas vezes ao dia. Temos evidência científica da maior proteção, ou seja, menor índice de aparecimento de cárie nas crianças que usam pasta com flúor na primeira infância.