Tudo o que você precisa saber sobre o câncer de mama

Publicidade

O Câncer da mama é o que mais acomete as mulheres em todo o mundo. Em 2013, a estimativa, segundo o Instituto Nacional do Câncer, é que tenham ocorrido no Brasil 52.680 casos novos da doença. Para aumentar as chances de cura é muito importante o diagnóstico precoce da doença. De acordo com o ginecologista, obstetra e mastologista Dr. Sérgio Masili, o ideal é que mulheres na idade de risco, ou seja, a partir dos 40 anos, realizem o exame mamográfico anualmente. “Dessa maneira, conseguimos identificar lesões extremamente pequenas de alguns milímetros”, completa.

O Manual da Mamãe faz sua parte sobre a conscientização e importância da detecção precoce do câncer de mama, para derrubar o mito de que a doença é uma sentença de morte e reforçar que cuidar da saúde é um gesto de amor à vida. Por isso, não deixe de ler a entrevista completa com o Dr. Sérgio:

 

Quais os fatores de risco para o câncer de mama?

 

Fatores como obesidade, dieta rica em gordura, tabagismo, uso exagerado de bebidas alcoólicas, utilização de terapia de reposição hormonal indiscriminadamente, entre outros. Não podemos nos esquecer do risco familiar. Apesar de a maioria dos cânceres de mama serem ocasionais, em até 10% dos casos podem ocorrer uma transmissão familiar. Existem atualmente modelos matemáticos que calculam, por meio de dados da história pessoal e familiar da paciente, qual é esse risco.

 

O exame físico das mamas é grande aliado na detecção precoce da doença. Explique como deve ser realizado.

 

Infelizmente, o exame físico detecta lesões de dimensões grandes e deve ser realizado principalmente em duas situações:

1. Nas jovens, como forma de educação ensinando-as a identificar o seu padrão de mama normal;

2. Nas pacientes de alto risco, que necessitam de uma vigilância frequente na mama. Todas as demais pacientes devem fazer mensalmente seu auto-exame, porém, em hipótese nenhuma, deixarem de realizar exames de mamografia, pois é este que irá detectar o câncer na forma inicial.

Existem diversas técnicas de auto-exame, porém o mais importante é: examinar suas mamas no período após a menstruação; olhar diante do espelho se existe presença de qualquer lesão na pele e aréola; realizar palpação de toda glândula mamária, incluindo região axilar; observar se há expressão suave do mamilo.

 

Existem alguns sinais que possam alertar as mulheres sobre um possível surgimento do câncer na mama?

 

Presença de nódulo mamário que persiste inalterado, independente do ciclo menstrual; presença de lesões de pele, que persistem por mais de 15 dias; coceira e aparecimento de lesões na região areolar e saída de secreção pelo mamilo.

 

A mulher que teve câncer de mama ainda pode engravidar?

 

Pode. No entanto, devemos lembrar que o tratamento do câncer é composto de cirurgia e, em casos selecionados, radioterapia, quimioterapia e utilização de hormonioterapia. Portanto, durante esse período, a paciente não é aconselhada a engravidar.

 

É possível prevenir o surgimento do câncer de mama?

 

Infelizmente não temos ferramentas eficazes para isso ainda. Porém, há algumas medidas importantes, como controle de peso, dietas pobres em gordura animal, diminuir ingestão de álcool, não fumar, cuidados na reposição hormonal e, o principal, realizar o exame de mamografia não para prevenir, mas para diagnosticar o câncer na fase inicial.

 

Amamente com saúde

Amamentar ajuda a prevenir o câncer de mama?

Durante o período de gestação e no de amamentação, a mulher fica exposta a uma menor quantidade de hormônio, desse modo, reduz seu risco. Porém, devemos lembrar que esse fato acontece caso a gestação e amamentação ocorra antes dos 30 anos. Após essa idade, não haverá praticamente redução no risco.

Que dicas o senhor dá para a mamãe preparar os seios para a amamentação?

Lembre-se sempre que a amamentação é um processo fisiológico dos mamíferos e devemos evitar interferir muito nele. Boa parte dos problemas da amamentação é devido à falta de preparo psicológico da mãe, que acaba se estressando demasiadamente, e por interferências de pessoas de fora. Mas algumas dicas de preparação são importantes.

Mantenha durante a gestação o mamilo sempre hidratado. Evite técnicas que tentam realizar qualquer tipo de esfoliação do mamilo, com o objetivo de torná-lo mais resistente, assim como utilização de produtos naturais ou não, que causem irritação. Caso você apresente mamilos pouco projetados, faça massagens no sentido radial da mama de forma a projetá-los. Durante o processo de amamentação, mantenha sempre os mamilos limpos e hidratados e utilize absorventes próprios para alívio no intervalo entre as mamadas.

A mastite é um dos aspectos que podem dificultar a amamentação. Explique como se caracteriza o problema e como tratar?

Muitas vezes durante o processo de amamentação se criam fissuras na aréola papilar e por meio dessas lesões bactérias podem entrar em contato com a área e levar a um quadro infeccioso. A mastite costuma ocorrer ao redor da segunda semana de amamentação. Os sintomas são a presença de dor e endurecimento localizado na mama, com vermelhidão na pele. Febre e calafrios podem estar associados. Quando diagnosticada na fase inicial, seu tratamento é simples, não sendo necessário interromper a amamentaçao.