Os primeiros mil dias podem mudar uma vida
Os pais têm uma oportunidade única de influenciar no desenvolvimento de seus filhos e ajudá-los a se tornarem adultos saudáveis - mas como? Os primeiros 1000 dias, que se iniciam no momento da concepção e vão até os dois primeiros anos de vida, têm papel muito importante neste processo - da alimentação adequada desde a gestação, do aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses de vida e da alimentação de seguimento de acordo com as recomendações da OMS. Para deixar este assunto mais claro, a nutricionista Marinês Cristine Silveira responde a algumas questões que são cruciais neste período.

Publicidade

Em relação a alimentação, qual a importância de planejar a gravidez?

Ao planejar a gravidez, a mulher deve fazer algumas mudanças em seu estilo de vida tais como parar de fumar; praticar uma atividade física; evitar bebidas alcoólicas, alimentos gordurosos, frituras, alimentos industrializados ricos em corantes e conservantes, gordura hidrogenada, sódio, embutidos e alimentos ricos em açúcares. A alimentação da gestante deve ser balanceada em todos os nutrientes, rica em cereais integrais, frutas, legumes, carnes magras. É também necessária a suplementação com ácido fólico no mínimo 30 dias antes de engravidar para garantir a formação do tubo neural do feto. Vale a pena lembrar que é importante que essas orientações sejam feitas pelo médico e/ou nutricionista.

Qual o papel da alimentação na gestação?

A alimentação durante a gestação tem papel primordial no crescimento e no desenvolvimento do bebê. Uma alimentação rica em nutrientes como ácido fólico, ômega 3, ferro, zinco, iodo e colina são muito importantes. Recomenda-se a ingestão de alimentos fontes de ferro - como as carnes, ovos (fontes de ferro heme – melhor absorvido pelo nosso organismo), leguminosas (fontes de ferro não heme), folhas verde-escuras, oleaginosas e cereais integrais. É importante consumir mais vegetais e frutas durante o dia. É crucial o consumo de peixes gordurosos como sardinha, atum, salmão, anchova e peixe espada - todos são fontes de ômega 3, que ajuda na formação das membranas celulares do sistema nervoso central, aumentam o peso do recém-nascido, o comprimento e a circunferência da cabeça ao nascimento, a acuidade visual do bebê, a atenção e a imunidade. Uma alimentação equilibrada evita o ganho de peso da gestante acima do recomendado e reduz as chances do desenvolvimento do diabetes gestacional.  A alimentação da gestante durante os nove meses de gravidez ajuda a determinar o paladar e olfato do bebê.

Por que amamentar?

O leite materno é o único alimento que a criança precisa nos primeiros seis meses de vida. Ele contém todos os nutrientes e compostos imunologicamente ativos de que o bebê precisa. As crianças amamentadas têm um bom desenvolvimento intelectual além de receberem a imunização adequada. A introdução precoce de alimentos no período de alimentação exclusiva com leite materno leva a um acúmulo de gordura e alteração no paladar. A interrupção da amamentação precocemente pode levar as crianças a preferirem alimentos mais calóricos e fazer com que o tempo para a saciedade seja mais longo devido à redução da sensibilidade do hormônio leptina (o qual induz a saciedade e puberdade precoce). Isso pode levar também à obesidade visceral na vida adulta, alteração nos níveis de colesterol, triglicerídeos, taxas de HDL (o colesterol bom) menores, aumento nos níveis de açúcar no sangue - que são sintomas da síndrome metabólica que potencializa risco de desenvolver diabetes tipo 2 - e problemas cardiovasculares na vida adulta.

E o sono do bebê?

O sono tranquilo do bebê é muito importante, pois é por meio dele que os hormônios e as células responsáveis pela manutenção do organismo são produzidas e a memória é consolidada. As crianças que dormem pouco estão mais sujeitas a ansiedade, depressão e agressividade no futuro.

Qual o papel da brincadeira, de estimular os vínculos?

É de suma importância dar carinho, afeto e estabelecer o contato físico com a criança. Esses são ingredientes fundamentais para o desenvolvimento neurológico e a imunidade. É importante lembrar-se: uma criança com uma boa base emocional se torna um adulto mais seguro. E tão importante quando dar carinho e afeto é sentar no chão e brincar – dessa forma serão estimulados o desenvolvimento cognitivo e a criatividade, além de promover a interação com a família, fazendo com que a criança se sinta mais amada e protegida.

Diversificar a alimentação do bebê, mas como?

É importante variar o máximo possível a introdução de alimentos diferentes do leite materno para que o bebê conheça vários sabores. É importante respeitar a introdução dos alimentos até o primeiro ano de vida. É necessário oferecer frutas, verduras, legumes, temperos naturais e evitar alimentos industrializados, ricos em sal, gordura e açúcar. A família deve dar o exemplo e, portanto, deve ter uma alimentação diversificada junto com o bebê.

 

Lembre-se: mude o futuro de seu filho, envolva-se nestes 1000 dias, eles são a chave de um futuro com mais saúde.