A importância da vitamina D na gravidez
Durante a gestação, a mulher precisa ficar atenta aos nutrientes necessários para se manter saudável. E a vitamina D é muito importante nesse período, pois protege contra vários problemas de saúde. “A vitamina D é um hormônio esteroide lipossolúvel essencial ao corpo humano, que pode ser obtido após exposição solar, suplementação ou por meio da alimentação.  Ela controla 270 genes, inclusive células do sistema cardiovascular. Também é necessária para a manutenção do tecido ósseo e influencia consideravelmente no sistema imunológico, sendo interessante para o tratamento de doenças autoimunes e no processo de diferenciação celular, no qual a falta favorece diversos tipos de câncer”, explicam o ginecologista e obstetra Dr. Rodrigo De Léo Soares e a dermatologista Dra. Vanessa Perusso.Segundo os profissionais, o consumo da vitamina D é essencial para as gestantes. A falta pode levar a abortos no primeiro trimestre e a pré-eclâmpsia e hipertensão no final da gravidez. Por outro lado, níveis corretos de vitamina D promovem melhor adaptação da placenta no organismo materno e evitam inflamações e alergias.Este hormônio também é essencial para quem está planejando ter um bebê. “Alguns estudos científicos mostram que níveis adequados de vitamina D são essenciais ao bom funcionamento da fisiologia da fertilidade, aumentando as chances de a mulher engravidar. Ou seja, quando a mulher está em idade fértil, bons níveis de vitamina D no organismo induzem a uma melhor e maior ovulação”, ressaltam.

Publicidade

É certo que a vitamina D provém da suplementação e alimentação (ovos, iogurte, fígado de boi, sardinha e atum), mas a forma inicial de captação se dá pela exposição solar. É o sol que faz com que a vitamina D seja absorvida adequadamente. Porém, para elevar a captação do hormônio são necessários mais de dez minutos de exposição solar. Estima-se que a exposição diária a dez minutos de sol, em uma área equivalente a braços e pernas, funcione mais como prevenção do que como correção dos níveis de vitamina D.

Apesar do sol mais próximo do meio dia ser mais indutor de vitamina D, não é indicado ficar mais do que 20 minutos exposto sem proteção solar, devido ao risco de queimaduras, câncer de pele e envelhecimento. “Outros fatores como altitude, clima e poluição também influenciam na quantidade de raios solares absorvidos, portanto, não fabricamos vitamina D sempre com a mesma frequência. Assim, em muitos casos, a suplementação oral deste composto é mais segura e mais indicada”, enfatizam.

“Cuide da sua saúde e da gestação de modo integral. Se necessário, e conforme indicação médica, suplemente a vitamina D, oralmente, lembrando que a automedicação é perigosa e pode trazer consequências negativas tanto para a mãe quanto para o bebê”, alertam.