Acabou a licença-maternidade. Com quem deixar meu filho?
Hora de voltar ao trabalho. E agora? Com quem deixar os filhos? O dilema faz parte da vida das mulheres modernas. Primeiro, são nove meses de muita expectativa até o momento do nascimento. Depois, momentos de realização, descobertas e intimidade. Mas a licença maternidade chega ao fim. Nesta hora, muitas mães são tomadas por um sentimento de culpa. A sensação é de estar abandonando o próprio filho. Mas fique calma, listamos algumas considerações importantes para que você faça a sua melhor escolha. Analise as vantagens de escolher entre babá, avós ou berçário.

Publicidade

 

Babás:

Manter o filho no aconchego da casa por mais tempo é sempre muito bom. No entanto, é preciso estar muito atenta à escolha desta profissional. E não é nada fácil encontrar babás capacitadas. Mesmo seguindo todas as dicas abaixo, lembre-se também que, se você fizer esta escolha, é bom que a babá coloque seu filho em contato com outras crianças. Isso pode acontecer no seu condomínio, em uma pracinha, em algum local de convivência, etc. É necessário estar atenta à necessidade de socialização da criança. Ficar em casa apenas com outros adultos, provavelmente, poderá ocasionar maior retração e menos independência na criança. Mas se ela pode ter contato com outras crianças, essa escolha pode ser muito válida. Fique atenta a alguns detalhes:

 

1. Verifique se a candidata tem experiência com crianças.

2. Peça referência de locais de trabalho anteriores e não fique envergonhado de checar todas a informações.

3. Marque as primeiras entrevistas longe da criança para preservá-la.

4. Depois que fizer a escolha, acompanhe o período de adaptação da criança bem de perto.

5. Não hesite em fazer aparições surpresas para verificar como o profissional se comporta quando você não está por perto.

 

Berçário:

A procura pelo local adequado deve ser cuidadosa. A opção oferece justamente o que falta no item anterior, a possibilidade de maior socialização, tornando a criança mais comunicativa e independente. Esta é a principal vantagem apontada pelos pediatras. Mas a escolha também deve ser cuidadosa (ver matéria sobre a escolha da escola). Uma das desvantagens das crianças que frequentam berçários são as infecções virais.

Mas, em contrapartida, quanto mais cedo a criança entrar para a creche, menores serão a chances dela ficar doente. De acordo com pediatras, até os seis meses de idade, a criança ainda tem os anticorpos que foram passados pela mãe através da placenta. Durante este período, ela ainda está protegida do contato com os micro-organismos. Em contato com estes ela começa a criar a sua imunidade antes do desaparecimento da imunidade materna. No final, a exposição não prejudica a formação da criança.

 

Avós:

Saber que seu filho está no colinho da vovó é uma tranquilidade e tanto. Afinal, você terá a segurança de que seu (sua) filhinho(a) estará tão bem-cuidado quanto você ou seu marido foram (no caso de a criança ficar com a sogra). Mas é bom estabelecer alguns limites nesta relação, tanto para não atrapalhar a vida da vovó, nem a dos pais e muito menos da criança. Deve ser evitada a competição pela educação da criança e não deixar que esta relação diminua a autoridade dos pais, pois os pequenos passam a ver os avós como autoridade máxima e se espelham neles.

É nesta hora que a educação pode entrar em conflito. De uma geração para outra, houve grandes mudanças e uma diferença enorme de conceitos. Antigamente, não se escutava as crianças. Hoje, elas são ouvidas. O meio termo seria ideal. Neste sentido, mães e avós devem agir juntas. Uma boa dica de leitura é o “Livro dos Avós”, de Lidia Aratangy e Leonardo Posternak. Assinado pela psicoterapeuta Lidia Aratangy e pelo pediatra Leonardo Posternak, o Livro dos Avós discute o papel dos avós na educação dos filhos e na sociedade moderna. A proposta do livro é funcionar como se fosse um avô ou avó, que discute questões e propõe respostas, levanta problemas e indica soluções. Ao apresentar diferentes modelos e expectativas da função de avós, alguns dos quais até opostos aos estereótipos idealizados do papel, os autores oferecem estratégias que visam a reduzir confrontos inúteis e diminuir a dor de conflitos inevitáveis.

 

Necessidade: Se você fez alguma das opções acima, saiba que para os momentos de necessidade ou de urgência existem opções interessantes em São Paulo, com berçários que funcionam em horário noturno.São como hotéis para o caso de você ter de ir a algum compromisso de trabalho ou seja qual for a situação.