Previna e trate o melasma
Durante a gestação, as mulheres estão mais suscetíveis ao aparecimento de manchas na face, conhecidas como melasma. Trata-se de uma consequência do aumento de hormônios neste período, associado a outros fatores, como exposição solar, uso de cosméticos inadequados, processos inflamatórios da pele e genética favorável. A dermatologista Dra. Luciana Bachtold Machado explica que o fator desencadeante principal das manchas é a exposição à radiação ultravioleta e, em menor intensidade, ao infravermelho fornecido por fontes de calor.

Publicidade
Para ajudar a evitar que elas apareçam, deve-se, portanto, expor-se ao sol apenas com o uso de filtros solares de FPS 60, reaplicado a cada duas horas, e com o uso de chapéus e bonés. “Esses cuidados devem ser tomados mesmo em dias nublados e mesmo para quem não for sair de casa, para proteção das luzes dos computadores e das que entram pela janela. Há no mercado inúmeras opções de filtros solares com outros benefícios, como controle prolongado da oleosidade e do aparecimento da acne, ação antioxidante e ação clareadora. O dermatologista pode ajudar na identificação da melhor opção para cada tipo de pele”, destaca a Dra. Luciana.

Quando o melasma aparece, as mulheres podem fazer uso de clareadores específicos, indicados para o uso na gestação e lactação. Quanto antes o tratamento for iniciado, menor será a intensidade e a progressão das manchas. “Os resultados começam a surgir em média dois meses após o início do clareador e a eficácia depende do tempo de início e profundidade das manchas”, orienta.

O melasma pode ser imune ao tratamento tópico. Nesses casos, pode-se utilizar terapêuticas coadjuvantes, como a realização de peelings seriados e/ou laser. Esses procedimentos devem ser realizados por dermatologista capacitado e com cautela, pois as manchas podem ser agravadas com a inflamação intensa da pele. “Atualmente, o laser atua diretamente no pigmento da mancha sem a inflamação da pele, sendo uma opção segura e eficaz. É imprescindível consulta médica anterior aos procedimentos para a preparação adequada da pele, o que minimiza os efeitos colaterais como hiperpigmentação”, alerta a dermatologista.

A especialista lembra ainda que os melasmas associados à gestação costumam desaparecer completamente com o tratamento em até um ano após o parto e 6% das mulheres apresentam remissão espontânea. Entretanto, 30% das pacientes evoluem com alguma sequela pigmentar, devendo o tratamento tópico ser contínuo. Para todas as mulheres indica-se a manutenção do filtro solar de amplo espectro e a proteção física ao sol para evitar recidivas.