As plásticas mais desejadas pelas mamães
Já faz mais de seis meses que o bebê nasceu, você perdeu peso, o corpo está mais ou menos como era antes, mas aquela gordura localizada teima em não sair dali, os seios estão mais flácidos, há pele sobrando no abdômen... É aí que a cirurgia plástica se apresenta como alternativa para o resgaste da autoestima em relação às alterações corporais sofridas após uma ou mais gestações. Abdominoplastia e mastopexia com prótese são as práticas cirúrgicas mais realizadas nas mulheres que já tiveram filhos, segundo a cirurgiã plástica Dra. Gisele Zanato. Em entrevista ao Manual da Mamãe, ela esclarece dúvidas comuns na hora de se submeter aos procedimentos cirúrgicos estéticos:

Publicidade

Quanto tempo após dar à luz é indicado que a mulher se submeta a uma cirurgia plástica? Por quê?

Após dar à luz, o corpo da mulher ainda permanece inchado e as alterações, como relaxamento muscular do abdômen, levam em torno de seis meses para sofrerem alguma regressão e se estabilizarem. Após esse período, as mudanças já se tornam mais definitivas, possibilitando a realização de procedimentos como a cirurgia plástica abdominal e, se a mulher não estiver mais amamentando, a cirurgia mamária.

A mulher deve se submeter a cirurgias plásticas apenas se não for ter mais filhos?

Não. Algumas cirurgias não interferem numa futura gravidez, como lipoescultura e colocação de próteses de mama. Outras cirurgias, como abdominoplastia e mamoplastia, podem ser realizadas mesmo se a paciente quiser ter filhos no futuro, mas ela deverá ser orientada sobre o fato de que uma possível gestação poderá fazer com que perca o resultado obtido com a cirurgia, e no caso da mamoplastia, pode haver dificuldade na amamentação, devido às cicatrizes resultantes no tecido mamário, apesar de não ocorrer em todos os casos.

Pode-se fazer mais de um procedimento de uma só vez?

Dependendo da saúde da paciente, peso e dos procedimentos envolvidos, podemos fazer mais de um procedimento de uma vez só, respeitando sempre um limite seguro para que evitemos grandes perdas de sangue e tempo muito prolongado do procedimento, pois tudo isso irá aumentar o risco da cirurgia. E o que mais importa nisso tudo é a segurança do procedimento e o bem-estar do paciente.

O que a mulher deve levar em consideração na hora de escolher o cirurgião plástico?

Primeiro de tudo, o que mais importa é que ele seja realmente cirurgião plástico, com sua especialização comprovada pelo MEC e pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Segundo, e para que a paciente se sinta mais segura, ela deve procurar consultar-se com cirurgiões que lhe foram indicados por pessoas conhecidas, e que já tiveram a experiência de serem operadas e tratadas por determinado cirurgião, para que ela tenha conhecimento de como esse médico geralmente procede com o paciente antes, durante e depois da cirurgia. Terceiro, a paciente deve sentir-se bem e segura quanto ao médico escolhido, e confiar no trabalho do seu cirurgião, pois a ele entregará sua vida e suas expectativas. Em quarto lugar, e não menos importante, um cirurgião plástico nunca deve ser escolhido de acordo com o preço da cirurgia, pois, como dizem, o barato pode sair muito caro, e uma cirurgia muito barata pode não apresentar a qualidade desejada, muitas vezes necessitando de vários outros procedimentos corretivos, podendo, inclusive, a paciente pagar com a própria vida.

Entenda os procedimentos

Mastopexia com prótese: a amamentação geralmente leva à queda e à flacidez das mamas, que muitas vezes vão necessitar de reparação com retirada do excesso de pele e colocação de prótese de silicone para devida montagem da mama e melhor formato da mesma. A cicatriz em questão dependerá de cada caso, podendo ser apenas uma pequena (4 cm) no sulco mamário inferior, nos casos onde não há necessidade de retirada de pele, mas somente colocação da prótese; ou periareolar, nos casos de pequena flacidez, em que retira-se pele ao redor das aréolas e por essa via mesmo introduzimos a prótese; ou periareolar e T invertido, nos casos de maior flacidez e retirada de pele.

Abdominoplastia: a gravidez geralmente causa afrouxamento e afastamento da musculatura abdominal, resultando num abdômen frouxo após o parto, que assemelha-se à barriga de uma gestante. Nesses casos, torna-se necessário o fechamento da musculatura e restauração da parede abdominal, o que poderá ser feito por miniabdominoplastia ou abdominoplastia total, que vão se diferenciar uma da outra de acordo com o excesso de pele a ser retirado, resultando em cicatriz menor ou maior, respectivamente.

Esse conteúdo foi feito em parceria com

Dra. Gisele Zanato


Conheça mais dele