Operação procura mães que compartilharam imagens pornográficas dos filhos
A Polícia Federal (PF) abriu a terceira fase da Operação Pedomon na manhã desta quarta-feira, 11, para fazer buscas contra três mães que teriam compartilhado imagens de cunho pornográfico de seus filhos e filhas com um homem que foi preso na primeira fase da investigação, em maio de 2019.

Publicidade

Com ele foram encontrados arquivos contendo cenas de abuso sexual praticadas por ele. Os mandados são cumpridos nas cidades de Cerquilho, São Paulo e Iguape. Nesta fase da operação foram identificadas, pelo menos, sete vítimas, com idades entre 2 e 10 anos. São cumpridos mandados de buscas nas cidades de São Paulo, Cerquilho e Iguape.

A análise dos HD's apreendidos com o abusador preso na primeira fase da operação levou ainda à identificação dessas outras três mulheres que produziram imagens de cunho pornográfico de seus filhos e filhas e as enviaram para o investigado.

Origem

A investigação teve início na Ucrânia, foi enviada ao Brasil pela Interpol, e identificou registros de mais de 30 estupros. Na segunda fase da operação, em setembro, duas mulheres, que eram ex-namoradas do frentista, foram detidas. As vítimas eram a filha e o filho de uma delas.

Os estupros eram filmados pelos agressores que, posteriormente, os trocavam em fóruns da Deep Web, que é uma área da internet que fica escondida e não pode ser localizada pelos mecanismos de buscas, dedicados especificamente a abusos sexuais praticados por pais e mães.

Pena

Os crimes de publicação de imagens de pornografia infantil e de estupro de vulnerável preveem penas de, respectivamente 3 a 6 anos de reclusão e 8 a 15 anos de prisão, indicou a Polícia Federal.

Com informações do Estadão e G1