Criança pula de carro em movimento após ladrões roubarem o veículo
Um menino de 7 anos passou por apuros na tarde da última terça-feira (4) ao pular de um carro em movimento após dois homens furtarem o veículo em que estava. O automóvel estava estacionado na porta da casa da vítima, em Rio Verde, no interior de Goiás. A criança aguardava a mãe trancar a residência.

Publicidade

A cena foi gravada por uma câmera de segurança. As imagens mostram os dois homens se aproximando do carro. Eles abrem as portas da frente e entram no veículo. A criança que estava no banco traseiro percebeu a ação dos suspeitos e desceu correndo para fugir no momento que os suspeitos aceleraram o carro para sair.

O braço do menino ainda ficou preso ao cinto de segurança quando tentava fugir, como mostra o vídeo, mas ele consegue se soltar, e os suspeitos levam o carro embora. Apesar do susto, ele não se feriu.

Segundo relato da mãe da criança, ela havia acabado de tirar o carro da garagem e o deixou ligado para fechar o portão. Por isto, o filho aguardava no banco traseiro.

Assista ao vídeo:

[video width="640" height="352" mp4="https://www.manualdamamae.com.br/wp-content/uploads/2020/02/Roubo-carro-vídeo.mp4"][/video]

 

Prisão

Em entrevista ao Mais Goiás, o delegado responsável pelo caso, Adelson Candeo Júnior, contou que um terceiro homem, suspeito de receptação, foi preso. “Conseguimos identificar onde os autores haviam deixado o automóvel. Fomos até o local e durante a abordagem o homem confessou ter recebido o carro”, disse.

O detido, no entanto, não falou o nome dos demais suspeitos e também não informou onde eles estão. A Polícia trabalha agora para identificar os autores do crime e efetuar as prisões.

O veículo, segundo o investigador, já encontrado, passou por exame pericial e foi entregue à dona na quarta-feira (5). O caso foi registrado inicialmente como furto. Adelson avalia se o fato de os suspeitos arrancarem o carro com a criança configura como violência ou ameaça. “A princípio pretendo pedir a prisão deles enquadrando como furto, pois o ato em si já configura violência. No entanto, ainda iremos analisar a situação”, ressaltou.

Com informações do site Mais Goiás