Aprovado projeto que aumenta licença-maternidade para 6 meses
Voltar ao trabalho após o fim da licença-maternidade de apenas 120 dias é um verdadeiro desafio para as mamães. Elas são unânimes em dizer que com 4 meses, o bebê ainda está muito novinho, alimentando-se somente do leite materno e bastante dependente da mãe. Sendo assim, torna-se bastante difícil conciliar os cuidados com o bebê com a carreira. Mas essa realidade pode mudar.

Publicidade

Foi aprovada pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS), nesta quarta-feira (04), a proposta que prevê o aumento de 180 dias de licença-maternidade. Sendo assim, o projeto agora segue para análise na Câmara dos Deputados.

O projeto foi criado pela senadora do PMDB, Rose de Freitas. O relator Paulo Paim (PT-RS) elogiou a autora do projeto e ressaltou que o período de 6 meses dedicado à amamentação exclusiva é indicado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde.

"De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, os bebês que ficam seis meses ao lado da mãe têm reduzidas as chances de contrair pneumonia, desenvolver anemia e sofrer com crises de diarreia. O Brasil gasta somas altíssimas por ano para atender crianças com doenças que poderiam ser evitadas, caso a amamentação regular tivesse acontecido durante estes primeiros meses de vida", disse Paim.

Entretanto, a proposta também recebeu críticas. O senador Cidinho Santos (PR-MT) disse que a medida em vez de beneficiar as mulheres pode estar criando mais dificuldades no que se refere à contratações no mercado de trabalho.

 

 

Leia Mais: Projeto do Senado aumenta a licença-maternidade para 180 dias. Você concorda?

Leia Mais: Acabou a licença-maternidade. Com quem deixar meu filho?

Leia Mais: Aprenda a dizer “não” para seu filho

 

 

 

Já ouviu falar em barriga solidária? Pode ser a realização do sonho de muitas mulheres que desejam ser mães:

 

https://www.youtube.com/watch?v=0QITpzwWqrE