Testes da Orelhinha e da Linguinha, por que fazer?
Ver o bebê começar a falar é uma das fases do desenvolvimento infantil mais aguardadas pelos pais. Porém, para falar, primeiramente é preciso ouvir. Desde o ventre da mãe, por volta do quarto mês, o feto já consegue ouvir os sons. “Por isso, conversar com o bebê, mesmo dentro da barriga, é extremamente importante”, confirma a fonoaudióloga Dra. Adadja Aragão Correia de Araújo. Para saber se o bebê está ouvindo bem é fundamental que ele faça o Teste da Orelhinha, entre os primeiros dias após o nascimento até o terceiro mês de vida.

Publicidade

Segundo a especialista, é um teste rápido e indolor, feito durante o sono natural do bebê, em que é colocada uma sonda no ouvido do recém-nascido que envia sons e capta uma resposta sonora lá de dentro do ouvidinho. Em seguida, é feito um barulho com um instrumento, como o agogô, para saber se a via de transmissão do som até o cérebro, e a via da resposta motora ao ouvir o som alto, também está funcionando bem.

Toda criança está sujeita a nascer com alguma deficiência auditiva. Sem acompanhamento de um fonoaudiólogo, a alteração auditiva somente é percebida pelos pais por volta de 2 anos, quando a criança começa a apresentar problemas na fala.“Assim, quanto mais rápido descobrirmos uma perda auditiva em um recém-nascido, mais cedo o ajudamos a entrar em contato com os sons, contribuindo para não haver um grande atraso na fala”.

Teste da Linguinha

Por outro lado, o Teste da Linguinha é importante para que se intervenha precocemente quando detectada alguma alteração no frênulo lingual do recém-nascido. A Dra. Adadja explica que isso irá favorecer o aleitamento materno, evitando dores para a mãe durante as mamadas. Isso porque o bebê com alteração no frênulo da língua não tem força pra sugar.

“Durante a mamada, essa criança vai cansar mais rápido, o que pode sugerir que ela não quer mamar no peito, pelo fato de soltar a mama constantemente, o que favorece o desmame precoce ou a utilização de complemento alimentar”, afirma a fonoaudióloga. Por isso, a triagem é feita nas primeiras 48 horas após o nascimento, por meio da observação da boca, da língua e do frênulo lingual do recém-nascido.

Caso seja identificada alguma alteração, é necessário realizar a frenectomia, procedimento cirúrgico simples, no qual é feito um pequeno corte na membrana, indolor para o recém-nascido.

“Fazer o Teste da Linguinha e o da Orelhinha é fundamental para garantirmos a saúde social e pessoal do bebê. Caso esteja insegura sobre os testes converse com um fonoaudiólogo para entender e tirar toda a insegurança antes do parto.”