Mais movimento e diversão
Nos últimos 30 anos, de acordo com o IBGE, aumentou em 35% a proporção de crianças e adolescentes acima do peso. Os números assustam e demonstram uma situação clara de sedentarismo entre os pequenos. Infelizmente, os pais têm certa culpa nos dados, devido à ausência de estímulo à prática de atividades físicas e a uma rotina alimentar adequada. Já há academias especializadas que faz da rotina de exercícios físicos uma brincadeira. E eles podem começar cedo. Já há atividades programadas para bebês a partir de seis semanas. Saiba o que é apropriado para cada fase:

Publicidade

6 semanas a 6 meses: estimulação com brinquedos que façam barulho, alongamento leve para fortalecer o tronco, incentivos lúdicos para encontrar objetos. É ideal que a mãe participe ou proponha as atividades para fortalecer o vínculo com o bebê.

6 meses a 1 ano: colocar a criança de barriga para baixo na posição de “gato” e arrastar brinquedos em volta dela para que ela se mexa. O importante desta fase é descobrir as habilidades físicas naturais do bebê, além de reforçar o desenvolvimento cognitivo.

1 a 3 anos: exercícios e brincadeiras que visem o equilíbrio, flexibilidade e independência. Dança com músicas infantis e jogos em grupos ajudam no desenvolvimento dessas habilidades. Neste período, começa a convivência com crianças da própria idade e o aprendizado de regras simples, como esperar a vez de brincar. A coordenação motora também começa a melhorar.

Antes de escolher o lugar e a atividade física, os pais devem obter a liberação do médico que é responsável pela avaliação das condições de saúde em que a criança se encontra. A partir deste atestado médico, o Educador Físico já possui as informações necessárias para indicar a melhor atividade para a criança.