Os benefícios da homeopatia para a gestante
Depois de algumas tentativas, o teste deu positivo. Parabéns! Você vai ser mamãe e apenas nove meses te separam do momento mágico de ver a carinha do bebê e de poder envolvê-lo em seus braços. Se pensar em todas as horas em que desejou se tornar mãe, a espera é pequena, mas gera uma ansiedade natural, além de uma série de mudanças corporais.

Publicidade

“Ao longo dos nove meses da gravidez, as alterações de hormônios vão trazer sonolência, aumento das mamas, sensibilidade aflorada, enjoos e outras reações, que vão pedir, inclusive, cuidado na prática de exercícios, porque a relaxina afrouxa as articulações e pode provocar contusões. A compressão pelo crescimento do útero também pode aumentar as idas ao banheiro”, explica o pediatra e homeopata Dr. Yechiel Moises Chencinski.

Algumas mudanças físicas, em decorrência dos níveis de hormônios, só podem ser aceitas. Para outras, principalmente as de fundo emocional, há o tratamento com a homeopatia, “uma terapia capaz de melhorar a qualidade de vida do pré-natal ao pós-parto e até depois. Os efeitos positivos também se aplicam ao bebê, que mesmo antes de nascer, já se torna uma criança menos propensa a adoecer”. Se esta é a escolha, saiba que embora seja mais natural do que a alopatia, a homeopatia também requer o acompanhamento do especialista.

O Dr. Moises alerta que a automedicação faz com que você trate uma doença que não conhece, pois os sintomas podem ter diversas origens e, por isso mesmo, ser causa de distúrbios diferentes, provocados pela medicação errada. Com o acompanhamento do profissional de saúde especialista, a homeopatia pode, por exemplo, tratar resfriados, acalmar e oferecer uma condição melhorada de percepção para que os estresses que aparecerem não tenham consequências para a grávida e nem para o feto, tais como interferir na produção de leite, diminuindo a quantidade e, consequentemente, a confiança da mamãe em si mesma. “Mas uma diferenciação precisa ser feita: homeopatia não tem relação com florais. É totalmente diferente, reconhecida como especialidade pelo Conselho Federal de Medicina, ao contrário dos florais”, ressalta.

Para que a futura mamãe se sinta ainda melhor, aconselha o Dr. Moises, não se pode descartar a busca de informação, o apoio da família, principalmente do companheiro, e um pré-natal adequado. Também são muito válidas as práticas de yoga, meditação e caminhada como atividade física, lembrando que a frequência cardíaca não pode passar de 150 batimentos por minuto. “Para a saúde do corpo e da mente, inclusive do bebê, também lembre-se de que, embora muitas mulheres façam, inclusive as mais famosas, a gravidez e o pós-parto não são épocas propícias para dietas e exercícios físicos intensos”, finaliza.