Seu filho tem medo de quê? Conheça os medos de acordo com a idade
"É normal meu filho sentir medo?” Essa é uma dúvida bastante comum das mamães. E a resposta é sim. É normal, desde que não se torne prejudicial ao desenvolvimento da criança. A psicóloga Penélope Ximenes explica que muitas vezes as crianças adquirem certos medos por influência dos próprios pais, que transmitem suas inseguranças aos pequenos. E ela faz um alerta: “A criança nunca deve ser forçada a enfrentar o medo se ela está ansiosa ou muito insegura. Isso pode piorar o quadro. Procure ajuda, caso o seu filho não esteja conseguindo superar essas dificuldades.” Confira com a profissional quais são os medos mais comuns e como você pode ajudar a criança a enfrentá-los:

Publicidade

Medo de barulho alto

Geralmente acontece com crianças pequenas, na faixa de 1 e 2 anos de idade. Não é um medo comum. Por isso, precisa-se inicialmente investigar se não existe causa orgânica, como hipersensibilidade do ouvido, por exemplo. É importante também observar se o medo não surgiu após alguma situação adversa, como uma batida de carro. Às vezes, isso pode acontecer por ser uma criança que sai pouco de casa e não é acostumada ainda com barulhos. Os pais devem observar o comportamento da criança e tentar expô-la aos poucos aos barulhos, de uma forma descontraída, sempre respeitando as reações da criança.

Medo de pessoas desconhecidas

É comum acontecer com bebês ou com crianças mais velhas, entre 4 e 6 anos. Os bebês geralmente tendem a estranhar as pessoas, o que é normal, principalmente se ficaram muito em casa. Já para os maiorzinhos, esse é um medo que geralmente surge em decorrência dos pais, ou seja, os pais alertam, e com razão, para que eles não conversem com estranhos, por exemplo. Para ajudar, os pais devem falar para a criança que com aquele adulto ela pode falar, porque é um conhecido. Sair mais com seus filhos para que eles possam ter contato com pessoas, com o ambiente social e cultural, também é importante para o desenvolvimento.

Medo do escuro

Geralmente crianças entre 4 e 7 anos apresentam esse tipo de medo. Pais que não gostam do escuro e dormem sempre com alguma luz acesa, acaba por passar essa insegurança para a criança. Em outros casos, as crianças passam a ter medo do escuro por perceberem em histórias, filmes ou TV que “coisas assustadoras”, como monstros e fantasmas, aparecem no escuro. Os pais podem ajudar deixando um abajur acesso para a criança ficar mais tranquila, afirmar que os monstros não existem, apagar a luz e mostrar que não tem fantasmas no escuro, de uma forma divertida.

Medo de ficar sozinho

Esse medo geralmente ocorre entre os 4 e 8 anos. As causas mais comuns são o fato da criança já ter sido esquecida em algum lugar ou porque está com medo de monstros, fantasmas, ladrões, etc. O medo de ficar sozinho também pode apontar uma certa insegurança da criança e, se persistir, deverá ser investigado, pois pode atrapalhá-la a viver mais feliz. Os pais devem observar as causas e mostrar para a criança que a amam. Eles devem dizer isso e também mostrar com atitudes.

Medo de animais

Não é muito comum, mas algumas crianças têm esse medo, em razão dos próprios pais terem restrições a algum animal. Muitas vezes, a criança não tem medo do animal em si, mas do barulho que ele faz, como o latido de cachorro, por exemplo. Levar a criança ao zoológico, abrigo de animais, feiras de adoção, na casa de amigos que tenham animais para que ela se acostume, é um ótimo passo. Caso a criança queira um bichinho de estimação, mas ao mesmo tempo tenha medo, pode-se com cautela propor a compra do animal. E pais, nada de contar à criança que têm medo de algum animal.

Medo de chuva e trovões

É comum acontecer com bebês até uns 3 anos. Os pais precisam agir com naturalidade quando começar a chuva, e mostrar para a criança de onde vem o barulho. Fazer brincadeiras ou coisas agradáveis para desviar a atenção da criança daquele momento, também é importante.

Medo da própria morte e da morte dos pais

Não é um medo comum. Geralmente acontece em crianças menores de 6 anos. Às vezes, a criança começa a ter esse medo, por ter passado por uma situação de morte na família ou doença muito grave de algum de seus membros ou dela mesma. Ela também pode ouvir algum coleguinha próximo falar a respeito. E para ajudar, os pais devem explicar para a criança sobre o ciclo da vida e conversarem, tendo como base as suas crenças.

Medo de bandidos e ladrões

Bastante comum nos tempos atuais, esse tipo de medo aparece em crianças de 4 a 12 anos. Os pais devem mostrar que a casa é segura, se for o caso, mostrar as câmeras de segurança, as redes de proteção, grades, porteiro, etc. Evitar ver noticiários que trazem esse tipo de informação na frente da criança e, se for uma criança mais velha, contar para ela que bandidos e ladrões realmente existem, mas que se forem tomadas precauções, é mais difícil correr risco.