Dificuldades no aprendizado? Fique atenta!
Toda mamãe e papai têm expectativas sobre o desenvolvimento escolar da criança. Em uma sociedade competitiva como a atual, o valor do bom desempenho escolar para o sucesso profissional tem impulsionado muitos pais a cobrarem de seus filhos excelência no desempenho escolar. Mas e quando a criança apresenta dificuldades, o que devemos fazer? Por que isso acontece? Para responder a essas e outras dúvidas, o Manual da Mamãe entrevistou a psicóloga Dra. Veronicka Seegmueller. Confira:

Publicidade

Quais são as dificuldades escolares mais comuns que as crianças apresentam?

Os Transtornos Específicos da Aprendizagem são dificuldades persistentes para aprender habilidades acadêmicas fundamentais e têm seu início geralmente durante os anos de escolarização. Algumas dificuldades que precedem o transtorno específico de aprendizagem são dificuldades na atenção, na linguagem e nas habilidades motora/visomotora (psicomotricidade). E os transtornos de aprendizagem mais comuns são os de leitura e escrita, dentre eles a dislexia e a dificuldade de processamento do pensamento matemático, a discalculia. O Transtorno do Déficit de Atenção (TDAH) prejudica a aquisição da aprendizagem, pela dificuldade da criança manter-se atenta e/ou agitar-se muito, perdendo o foco nas coisas com muita facilidade.

Por que isso acontece?

As dificuldades escolares, mais especificamente os Transtornos de Aprendizagem, têm muitas origens, mas devemos sempre considerar três fontes associadas: fatores biológicos, ambientais e sociais. Elas podem, por exemplo, decorrer em função de dificuldades neurológicas e também estarem associadas a pouca estimulação ambiental.

O que deve ser feito quando a criança apresenta dificuldades?

As dificuldades de aprendizagem aparecem geralmente no âmbito escolar e a própria escola pode solicitar que os pais levem a criança a um médico pediatra, neuropediatra ou a um psicólogo/psicopedagogo. Para o diagnóstico correto, é necessário uma avaliação abrangente e multidisciplinar. Algumas características são fundamentais para o diagnóstico dessas dificuldades: elas não são decorrentes de deficiência intelectual, atraso global do desenvolvimento, deficiências auditivas, visuais ou motoras. Após o fechamento do diagnóstico, os profissionais traçam um plano de trabalho para ajudar a criança, bem como orientam os familiares e os professores.

Quais os sinais e sintomas devem ser observados pelos pais e professores?

Os sinais que indicam dificuldades escolares podem ser: dificuldade de entender o que as outras pessoas falam; necessidade de repetição de instruções; dificuldades com sequências de histórias ou sequências numéricas; vocabulário empobrecido; dificuldade na alfabetização; de localização espacial; dificuldade em manter-se atento; em cumprir com as tarefas escolares, chegando até mesmo a desistir ou relutar na realização das mesmas; baixa autoestima; dentre outras.

Perceber essas dificuldades é função dos pais ou da escola?

Os pais, muitas vezes, podem perceber quando a criança está se desenvolvendo de forma diferente das outras, mas é na escola, pela aquisição do conhecimento formal, que os Transtornos de Aprendizagem se evidenciam.

Como a escola e o professor devem atuar para ajudar a resolver esse problema?

A escola será responsável por respaldar os professores em como agir nesses casos, pois deverá estar preparada para ensinar todos os alunos, cada qual com suas necessidades específicas. Esse movimento é a “inclusão escolar”, que tem como principal objetivo acolher todas as pessoas, fundamentado numa filosofia que reconhece e valoriza a diversidade. Sabemos que um professor sozinho pouco pode fazer diante da complexidade de questões que seus alunos apresentam. Por este motivo, a constituição de uma equipe interdisciplinar (escola, psicólogo, psicopedagogo, médico, fonoaudiólogo, etc), que permita pensar o trabalho educativo desde os diversos campos do conhecimento, é fundamental para compor uma prática inclusiva.

Qual é o papel dos pais nessa situação?

Os pais são fundamentais, sem o envolvimento da família nesse processo fica muito difícil para os profissionais conseguirem realizar seus trabalhos com êxito, pois, geralmente, os familiares são as pessoas mais importantes na vida da criança e o apoio deles é fundamental para fornecer o suporte que os profissionais precisam para conseguir bons resultados.

É possível prevenir os problemas escolares?

A estimulação ambiental ajuda a criança a melhorar não só as habilidades de raciocínio, mas também de coordenação visomotora e atencionais. Os pais podem dedicar algum tempo conversando e brincando com seus filhos, assim poderão perceber como eles estão se desenvolvendo. A busca por ajuda profissional quanto mais cedo melhor, pois ajuda a prevenir dificuldades maiores ou até mesmo dar maior amparo para o enfrentamento dessas dificuldades no futuro. A escola deverá manter-se atenta aos alunos, percebendo cada um em suas potencialidades e dificuldades e, quando necessário, realizar os encaminhamentos adequados. Nunca negligenciar qualquer necessidade apresentada pela criança.

Sabemos que a relação da escola com a família é fundamental. Mas como estabelecê-la?

Primeiramente, o papel da escola deverá ser o de acolher não só o aluno, como também os familiares. Muitas vezes, os pais se sentem perdidos e desamparados frente às dificuldades escolares da criança. Com essa aliança estabelecida, fica bem mais fácil para ambos manterem uma relação positiva. A segurança nessa relação irá refletir diretamente na forma como a criança se vincula com a aprendizagem.