Como tratar a queda de cabelo no pós-parto?
Lá pelo segundo ou terceiro mês depois do nascimento do bebê você começa a observar que o cabelo, que era tão farto e brilhante na gravidez, está caindo aos montes. Após o parto, ocorre naturalmente a diminuição de estrógeno, e essa readequação hormonal faz com que muitos fios entrem ao mesmo tempo na fase de queda. Mas existe solução, afirma o dermatologista Dr. Alessandro Alarcão, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Publicidade

Segundo o especialista, além das medicações habitualmente utilizadas há várias tecnologias que podem ser usadas para solucionar esse problema. Entre elas, está o Laser de Erbium. Trata-se de um laser fracionado, não ablativo, utilizado no tratamento de calvície e outros tipos de queda capilar. “O laser age no bulbo do fio, por meio de fototermólise seletiva, estimulando-o a entrar em fase de crescimento mais precocemente, além de promover aumento do fluxo sanguíneo local e estimular fatores de crescimento e citocinas”.

Sendo assim, ressalta o dermatologista, o Laser de Erbium provoca uma alteração no ciclo de crescimento dos cabelos, fazendo com que células que estavam na fase inativa passem rapidamente para fase ativa, prolongando a fase anágena do cabelo, que é a fase de crescimento capilar. “O tratamento com o laser faz toda a diferença porque os resultados são mais precoces e efetivos”, diz o Dr. Alessandro Alarcão. Para um resultado satisfatório, são necessárias de 8 a 10 sessões em intervalos de 15 dias cada.

O dermatologista explica que além do laser também se utiliza contra a queda de cabelo pós-parto uma multiplataforma que tem LED de vários comprimentos de ondas que melhoram a circulação sanguínea no couro cabeludo, aumentando a nutrição capilar e consequentemente diminuindo a perda de fios e, além de tudo, deixando-os mais bonitos e saudáveis. “Nessa multiplataforma temos o microagulhamento e a pistola de injeção indolor de medicamentos, além de um módulo para a limpeza do couro cabeludo”, conta.

Alerta

Antes de definir o tratamento é necessário fazer, entre outros exames, uma avaliação detalhada do couro cabeludo e do cabelo por meio da dermatoscopia, em que usa uma lente que aumenta em 700 vezes o aspecto da região. Ela verifica a densidade do fio, a quantidade por milímetro quadrado e também se há um processo de miniaturização, quando a cada ciclo o cabelo fica menor e mais fino.

“Antes, durante e após a gestação, a mulher deve sempre ser acompanhada por um especialista em Dermatologia que seja integrante da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD)”, informa o Dr. Alessandro Alarcão, pois por trás de uma queda de cabelo podem existir doenças que devem ser tratadas.
Esse conteúdo foi feito em parceria com

Dr. Alessandro Alarcão


Conheça mais dele
Publicidade