Brasileiros criam leite humano em pó e ganham prêmio
Já imaginou um leite em pó com a mesma qualidade, sabor, propriedades nutritivas e biológicas que o leite materno? Pois é, pesquisadores brasileiros criaram um leite humano em pó e ganharam o primeiro lugar na 19ª edição do Prêmio Péter Murányi.

Publicidade

O leite em pó humano foi desenvolvido pelos pesquisadores Vanessa Bueno Javera Castanheira e Jesuí Vergílio Visentainer no Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Os pesquisadores acreditam que o produto em pó tem condições de atender à demanda reprimida dos bancos de leite materno, que trabalham com o produto pasteurizado e congelado – e vivem com problema de falta de estoque.

Isso permitiria aumentar o número de bebês de até seis meses de idade que se alimentariam com leite materno e não fórmulas infantis.

A presidente da Fundação Péter Murányi, Vera Murányi Kiss, promotora do prêmio, afirma que o leite humano em pó pode ser uma opção clínica e social na manutenção e ampliação do aleitamento materno.

Como é feito

A produção do leite humano em pó passa por dois processos, a liofilização e a atomização.

Na liofilização ocorre um processo de desidratação, em que o leite é congelado sob vácuo e o gelo formado é sublimado, podendo durar até 30 anos. No geral, é utilizado em alimentos que apresentam um alto teor de água.

O processo atomização consiste em submeter o leite a uma corrente controlada de ar quente. O calor pulveriza o produto dentro de uma câmara, o que provoca a evaporação dos solventes, em geral água, que separa de maneira ultra-rápida os sólidos e solúveis.

Prêmio

O Prêmio Péter Murányi incentiva descobertas ou progressos científicos mundiais em relação à saúde, alimentação, educação ou desenvolvimento tecnológico, que beneficiem o desenvolvimento e bem estar das pessoas. O prêmio aos dois pesquisadores da UEM será entregue no dia 28 de abril, em São Paulo.

Com informações do site Só Notícia Boa.